Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Coordenadora do Movimento Eco-Feminismo defende implementação de políticas públicas e orçamentação sensível às mulheres rurais

Cidade da Praia, 21 Nov (Inforpress) – A coordenadora do Movimento Eco-Feminismo, Érica Miranda, defendeu hoje a necessidade de implementação de políticas públicas e orçamentação sensíveis, com vista a promover a inclusão das mulheres rurais face às mudanças climáticas.

Érica Miranda fez estas declarações em entrevista a Inforpress, à margem de uma conversa aberta realizada hoje na Cidade da Praia, com o objectivo sensibilizar, formar e empooderar os jovens líderes, activistas sociais, ambientais e de género sobre questões relacionadas com a Ecologia e com a mulher cabo-verdiana.

O encontro, elucidou, servirá para promover um debate sobre as politicas públicas que o Estado pode adoptar, visando promover a inclusão das mulheres do meio rural e que iniciativas deverão ser adoptadas para assim “reconectar” as mesmas à natureza e ao meio ambiente.

“Achamos que faz todo o sentido, após a aprovação da lei de paridade, debatermos as políticas que são sensíveis às mulheres que vivem nas zonas mais vulneráveis, nomeadamente nas zonas rurais e piscatórias. Queremos fazer a advocacy e sensibilizar as pessoas sobre as politicas que devem ser implementadas e o papel das mulheres de zonas rurais”, afirmou.

Para esta responsável, a situação das mulheres do mundo rural em Cabo Verde está cada vez mais difícil, devido às alterações climáticas, em que os países pobres são os mais afectados, daí, sustentou, a necessidade de haver um trabalho de base visando encontrar mecanismos necessários para fazer face a essa problemática.

“Deve ser feito um trabalho de base, começando com acções de sensibilização, conhecer a realidade das mulheres, seus problemas e que soluções para a resolução dos seus problemas e só depois começar as diligências para a implementação das politicas públicas”, realçou.

Salientou, por outro lado, que Cabo Verde está a dar passos na promoção e inclusão da mulher rural, mas reconheceu que ainda é necessário haver criação de outras medidas para complementar as que já existem.

CM/JMV
Inforpress/Fim.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos