Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Conservador reconhece necessidade de qualificação dos técnicos para darem resposta ao serviço de pré-arquivo (c/áudio)

Cidade da Praia, 18 Dez (Inforpress) – O conservador do Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde afirmou hoje que há necessidade de ter técnicos profissionais e técnicos superiores qualificados para darem resposta aos serviços de pré-arquivagem em todo o país.

Em conversa com a Inforpress, à margem do workshop “Documentos arquivísticos memória da sociedade – a importância da sua preservação”, na cidade da Praia, José Maria Borges Tavares afirmou que esta instituição, ao longo da sua criação, tem feito um trabalho “bastante meritório” para a preservação de todo o acervo do país.

José Maria Borges Tavares considerou que sem a prevenção dos documentos não há pesquisas daí a necessidade de fazer esse trabalho de pré-arquivagem, que, a seu ver, se for bem-feito contribuirá para fornecer informações relativas à história da nação, informações sobre a vivência, a forma de ser e de estar na sociedade e de todo o processo da construção do Estado da nação cabo-verdiana.

“Toda essa informação que é produzida e foi produzida ao longo dos anos, bem preservada e bem guardada, poderá nos fornecer informações a qualquer momento sobre a nossa situação enquanto povo”, afirmou.

Entretanto, para que este trabalho seja “bem-feito”, defendeu, é preciso apostar na formação dos técnicos do arquivo e ainda há necessidade de ter pessoas formadas nas instituições públicas e privadas, nos serviços centrais das autarquias locais para a preservação, produção do serviço de pré-arquivo.

Neste momento, reconheceu, o país não tem gente formada e qualificada nesta área, visto que a última formação que os técnicos do arquivo tiveram foi em 2005, e ainda não há formação para técnicos superiores no país.

Neste sentido, avançou que estão a programar para o próximo ano a abertura de um novo curso para técnicos profissionais e ainda estão a trabalhar com as instituições universitárias no sentido de em 2020 ministrarem cursos de pós-graduação na área de pré-arquivagem.

“Deste modo, estaremos a permitir que o país venha a ter gente formada para dar cobertura de Santo Antão a Brava em todas as instituições, lá onde é necessária, até para cumprir aquilo que o regime jurídico dos arquivos prevê que é a criação de arquivos locais, regionais para fazerem o serviço de pré-arquivagem”, salientou.

De realçar que este workshop acontece no âmbito da celebração do 31º aniversário da instituição, que acontece a 31 de Dezembro, mas cujas actividades de comemoração já estão a decorrer, sob o lema “ANCV 31 anos na salvaguarda da memória colectiva da Nação cabo-verdiana”.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos