Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Conselho Superior da Magistratura Judicial apresenta plano para debelar a pendência e a morosidade processual

Cidade da Praia, 23 Abr (Inforpress) – O presidente do Conselho Superior da Magistratura Judicial (CSMJ) encontrou-se hoje com o Presidente da República, com quem abordou “os principais problemas” que afectam o sistema judicial cabo-verdiano, com o foco no combatente à pendência e à morosidade processual.

À saída do encontro de trabalho, Bernardino Delgado revelou à imprensa que levou ao Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, a estratégia que o CSMS tem traçado em termos de planificação das suas actividades, com vista a debelar “estes dois males que afectam o sistema judicial”.

A audiência, que demorou cerca de 45 minutos, permitiu que ambos se debruçassem sobre o funcionamento do CSMJ no que concerne a determinadas articulações, consideradas necessárias e que envolvem os dois organismos, designadamente a questão da nomeação de um membro do conselho que se encontra sob a alcançada do Chefe de Estado.

Bernardino Delgado afiançou que o Conselho, no quadro do plano trienal, aposta numa estratégia que passa por um aumento de alocação de recursos financeiros que possam permitir a instituição que dirige aumentar o número de juízes e oficiais para serem alocados aos tribunais, sublinhando que apresentou dados concretos sobre o nível de tramitação processual que tem vindo a registar em comarcas com maior necessidade.

Neste quadro, disse que a comarca da Praia carece de reforçar o quarto juízo crime e criar dois juízes de execução cível para fazer face a pendências acumuladas, sendo que num universo de 1918 processos cíveis pendentes, 1156 referem-se a processos de execução.

Avançou ainda que as comarcas do Sal, da Boa Vista e de São Filipe necessitam de reforço, porquanto a demanda processual exige alocação de mais meios humanos para que o CSMJ consiga resolver a problemática, quer da pendência acumulada, quer da questão da morosidade processual.

No quadro do plano e estratégia traçada pelo CSMJ, Bernardino Delgado apresentou a Jorge Carlos Fonseca a projecção “realista” da redução das pendências, considerada “perfeitamente concretizável, desde que materializadas as premissas”.

O aumento do número de juízes, de oficiais de justiça, a criação e a subdivisão da Comarca da Boa Vista em duas Jurisdições, a alocação de mais um juiz no Tribunal da Comarca de São Vicente para o Juiz Laboral e de Família e Menores, a instalação do tribunal de Pequenas Causas na Praia foram apresentados como um conjunto de medidas para o triénio 2020/2022, visando reduzir consideravelmente a pendência processual em Cabo Verde.

O magistrado assegurou, entretanto, que não obstante estas pendências, a Justiça cabo-verdiana não está condicionada, alegando que toda a acção tendente a debelar a pendência tem de ser feita de forma gradual, porque são processos que vêm de há vários anos.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos