Conselho sectorial quer dotar País de um corpo técnico formado e capacitado na área de bibliotecas e arquivos

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) – O conselho sectorial para a validação da qualificação profissional de técnico de arquivos e bibliotecas quer dotar o País de um corpo técnico formado nestas áreas para colmatar a lacuna de profissionais formados em gestão documental.

A informação foi hoje avançada, na Cidade da Praia, pelo presidente do Instituto do Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, José Maria Tavares, à margem da reunião do Conselho Setorial realizada pela Unidade de Coordenação do Sistema Nacional de Qualificações, em parceria com o Arquivo Histórico Nacional e a Biblioteca Nacional.

O encontro teve como propósito validar o perfil de competências e o programa formativo do técnico/a de arquivo e biblioteca e contou com a participação de representantes de organizações públicas, associações profissionais, peritos e professores/formadores que atuam nesta área.

“Temos uma lacuna no País relativamente a profissionais formados na área de gestão documental e na área da biblioteca, portanto o que nós fizemos foi encetar contactos junto de instituições neste caso, o sistema nacional de qualificações para desenhar uma formação adequada aos novos requisitos que se impõe”, explicou.

Conforme disse, o curso do pessoal do arquivo ministrado inicialmente na década de 90 hoje em dia já não se adequa às novas realidades do País, daí que, ajuntou, há um sistema nacional de qualificações que define todo o parâmetro, os recursos, e as condições para ter um curso profissional.

“O que nós fizemos foi entrar em contacto com o sistema nacional de qualificações, propor a necessidade na nossa área e a partir daí constituir uma equipa formada por técnicos do arquivo nacional, da biblioteca e do Sistema Nacional de Qualificações para a elaboração deste plano que hoje é apresentado”, adiantou.

Por seu lado, o coordenador do Sistema Nacional de Qualificações, Amílcar Mendes, afirmou que o objetivo é apresentar a qualificação profissional de técnicos de arquivo e biblioteca que foi elaborado por este Sistema, enquanto entidade que promove, desenvolve e integra ofertas formativas que vão de encontro às reais necessidades do mercado de trabalho.

“Então, em parceria com o arquivo histórico nacional e a biblioteca nacional elaboramos este perfil profissional e programas de formação para técnicos de arquivo e biblioteca que define qual o perfil que este profissional deve ter para exercer a sua função”, sustentou.

O sistema nacional de qualificações, esclareceu, ao invés de elaborar programas de formação com base em conteúdos e disciplinas, elabora qualificações profissionais com base em competências, ou seja, define qual perfil necessário para o exercício dessa profissão da melhor forma.

“Também, um outro objectivo muito importante é a adequação das ofertas de formação às necessidades do mercado, então, nós quando elaboramos essas qualificações levamos também em consideração as necessidades que são indispensáveis neste momento”, concluiu.

ET/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos