Conselho Nacional do Desporto decide pela retoma gradual das actividades desportivas no País

Cidade da Praia, 20 Nov (Inforpress) – O presidente do Instituto do Desporto e da Juventude (IDJ) revelou hoje que a retoma das actividades desportivas no País será gradualmente, consoante a situação epidemiológica em cada ilha e o nível de risco de cada modalidade.

Frederic Mbassa deu a conhecer esta informação a Inforpress como uma das decisões saídas da IX reunião do Conselho Nacional do Desporto, encerrada esta tarde no Estádio Nacional, tendo avançado que ainda existem “determinados requisitos a cumprir”, mas que “a retoma será feita mediante uma planificação rápida”.

“A retoma depois de oito meses de paragem terá de ser de forma gradual. O nosso foco principal é manter o estado sanitário assertivo e correcto no País com a contribuição do desporto. Mas é um desafio. Há modalidades e federações que já nos alertaram que a retoma das suas actividades leva a um período de adaptação e preparação”, explicou.

Frederic Mbassa afiançou que o risco de contaminação varia de modalidades, sendo que na prática nas colectivas e de contacto como o boxe o risco é maior que nas individuais como atletismo, ginástica, ciclismo e xadrez, sublinhando que as instituições desportivas estão alinhadas com as autoridades sanitárias no concernente a segurança desportiva.

Realçou que todos os parceiros e conselheiros do desporto estão engajados, de modo que projecta para a próxima semana o arranque dos trabalhos, visando delinear estratégias e planos para que as competições sejam devidamente retomadas, o quanto antes, nas ilhas já com condições mínimas.

Nas ilhas de Santiago e Fogo, em estado de calamidade, segundo o presidente do IDJ, o retomar das provas fica adiado.

“Nas outras ilhas onde a taxa de incidência é muito mais baixa e nas regiões onde já se nota uma estabilidade a nível de casos e um trabalho de investigação levado a cabo pelas autoridades sanitárias, já há parceria para que consigamos, realmente, dar inicio a retoma”, explicou.

Frederic Mbassa enalteceu a “importância extrema” do director nacional da Saúde, Jorge Noel Barreto, no encontro, por entender que as dúvidas levantadas foram esclarecidas, de forma que cada uma das federações/instituições consiga munir de ferramentas para inteirar-se dos requisitos, para que cada modalidade defina o regulamento de provas para o início das actividades desportivas.

Com isto, asseverou que pandemia trouxe novos desafios à prática do desporto e ao próprio IDJ como a planificação, articulação, logística, e a nível de recursos humanos e financeiros, mas deixou vincado que estes custos serão partilhados entre o IDJ, federações e entidades desportivas, numa época “atípica, com desafios enormes”.

Frederic Mbassa anunciou que para o sucesso desta retoma das actividades ficou acordada a criação de uma “task-force” envolvendo pontos focais do IDJ, a Direcção Nacional da Saúde, Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros e as próprias federações, com o intuito de garantir uma retoma segura.

“Temos de levar em conta que o desporto, também tem a sua contribuição para a saúde de todos nós”, enfatizou Frederic Mbassa, convicto que este Conselho Nacional do Desporto teve também um papel de contribuir para a elevação da imunidade no campo do desporto.

O ministro do Desporto, Fernando Elísio Freire,  declarou no início dos trabalhos que o Governo fará de tudo para que as provas desportivas sejam retomadas em segurança, mas alertou que os custos dos testes da covid-19 são “elevadíssimos” para a realidade cabo-verdiana, pois que por cada jogo, em determinadas modalidades, varia entre os 200 a 1.000 contos semanais.

SR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos