Conselho Independente da RTC vai determinar na próxima quarta-feira um PCA substituto

Cidade da Praia, 16 Jan (Inforpress) – O Conselho Independente da Radiotelevisão Cabo-Verdiana (RTC) comunicou hoje que vai na próxima quarta-feira deliberar qual dos dois actuais administradores irá substituir Policarpo de Carvalho, que pediu demissão para aguardar decisão final da justiça.

O presidente do conselho de administração da Radiotelevisão Cabo-verdiana (RTC), Policarpo de Carvalho, pediu hoje a demissão do cargo para aguardar a decisão final da justiça sobre o caso de alegada agressão à sua esposa.

Em conferência de imprensa, o presidente do Conselho Independente da RTC, Daniel Medina, avançou que tiveram o conhecimento da demissão pelo próprio Policarpo de Carvalho, via telefone.

“Tivemos conhecimento aos instantes da posição apresentada pelo senhor presidente do conselho da administração numa conferência de imprensa em que apresentou a sua demissão ao cargo. No seu entendimento era e continua sendo o de se procurar um entendimento antes de se subjugar as pessoas que têm perante a constituição direito ao bom nome, direito à sua imagem”, disse.

“Contudo isso alterou as nossas percepções, o doutor Policarpo Carvalho teve diferença de nos comunicar via telefone que havia apresentado esta vertente missionária e que em breve formalizaria essa intenção em concreto”, prosseguiu.

Por isso, informou Daniel Medina, resta ao Conselho Independente indicar, a partir deste momento, um dos administradores da RTC que ficará no cargo do presidente até o próximo mês de Julho, altura em que terminará o mandato do então conselho de administração.

Entretanto, fez saber ainda que o Conselho Independente, dentro das suas atribuições legais, irá durante esse período acompanhar, fiscalizar e assessorar de uma forma mais permanente os trabalhos do conselho de administração da RTC.

Instado se caso o Policarpo Carvalho não tivesse pedido demissão qual seria a decisão do Conselho Independente, o mesmo retrucou que seria diferente desta, mas preferiu não revelar.

“É a circunstância que temos em presença, portanto é com esta que vamos gerir”, respondeu Daniel Medina.

Perguntado ainda se o Conselho Independente se sentiu pressionado com as declarações do primeiro-ministro que afirmou hoje que situações que indiciam crimes da Violência Baseada em Género (VBG) “não casam com a presença à frente de uma instituição como a RTC”, e que cabe à Comissão Independente tomar uma posição, contestou sublinhando que seguiram a legalidade.

Na próxima quarta-feira, o Conselho Independente irá deliberar, através de votos, quem dos actuais administradores irá substituir Policarpo de Carvalho.

De recordar, também, que a esposa de Policarpo de Carvalho, indiciado da prática de crimes de VBG, negou hoje, em conferência de imprensa, que tenha sido agredida fisicamente pelo marido, durante as férias no estrangeiro, conforme notícia publicada pelo jornal Santiago Magazine.

TC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos