Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Congresso Nacional da UNTC-CS agendado para primeiro trimestre de 2022 (c/áudio)

Cidade da Praia, 24 Nov (Inforpress) – O Conselho Nacional da UNTC-CS, realizado terça-feira, 23, calendarizou para primeiro trimestre de 2022,  na Cidade da Praia, o próximo Congresso da central sindical, que passa a contar com 24 filiados, face à entrada de mais três associados.

Esta informação foi avançada hoje à imprensa pela secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS), em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, que serviu para apresentar o resultado da reunião do Conselho Nacional que, atestou, aprovou as contas de 2016, 2017, 2018 e 2019 e ratificou as filiações dos sindicatos aprovados anteriormente.   

Joaquina Almeida anunciou que os conselheiros aprovaram a filiação de mais três sindicatos, o dos Serviços do Turismo, Comércio e Empresa Pública e Privada (São Vicente), o Sindicato da Instituição de Empresas Públicas e do Sector Doméstico (Praia), e o Sindicato de Administração Pública Directa e Indirecta, existente há muito, mas que só agora pediu a sua filiação sindical.

Os conselheiros, comunicou igualmente, rectificaram todas as deliberações do Secretariado Nacional e da Comissão Permanente, bem como delegou poderes à Comissão Permanente, órgão de gestão, para preparar o Congresso que será no primeiro trimestre de 2022.

A líder da UNTC-CS desmentiu que a realização da reunião do Conselho Nacional tivesse sido uma obrigação ditada pelo Tribunal do Trabalho da Praia, alegando que desde 08 de Julho passado já estava prevista, admitindo, entretanto, que o tribunal tomou uma posição, fruto “de uma queixa minada de irregularidades, pois que oito sindicatos intentaram uma acção a pedir o Tribunal do Trabalho a realização do CN”.

Quanto às acusações tornadas públicas à imprensa pelos conselheiros contestatários, liderados por Eliseu Tavares, para quem a reunião do Conselho Nacional foi “uma autêntica farsa, fraude e ameaça, violando inclusive as leis da República”, a secretária geral da UNTC-CS disse que não passa de uma “invenção” e que a reunião “decorreu com toda a normalidade”.

“Todos (os conselheiros) foram convocados de acordo com os estatutos. Os que não foram convocados foram três sindicatos que tinham dez meses e meio quotas em atraso, outros com 22 meses e outro com 30 meses. Todos os restantes foram convocados”, explicitou, ressaltando que alguns conselheiros, sem direitos a voto, foram simplesmente obrigados a cumprir religiosamente a lei, os estatutos e o regulamento.

Sublinhou que para o encontro foi convocado 31 conselheiros, pertencentes a 11 sindicatos dos quais seis sem direito a votos (seis meses de quotas em atraso) e que três não participaram por imposição estatutária, por terem mais de nove meses de quotas em atraso.

“Alguns conselheiros incauto” foram prontamente barrados porque tentaram inviabilizar a reunião”, admitiu Joaquina Almeida.

SR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos