Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Congressista democrata californiano lança processo para destituição de Trump

 

Washington, 12 Jul (Inforpress) – Um congressista democrata, eleito pelo Estado da Califórnia, apresentou hoje a primeira iniciativa legal com vista à destituição (‘impeachment’) de Donald Trump da Presidência dos EUA.

Brad Sherman, que integra a Câmara dos Representantes, acusou Trump de obstruir as investigações à interferência da Federação Russa nas eleições presidenciais de 2016, em parte por demitir o então director da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), James Comey.

Sherman reconheceu que a sua iniciativa, designada formalmente como artigo para a destituição e consistente em uma série de acusações, “é o primeiro passo em uma estrada muito comprida”.

Mas, em comunicado, manifestou-se esperançado em que, “se a incompetência impulsiva continuar, então, eventualmente, dentro de muitos, muitos meses, os republicanos vão juntar-se ao esforço para a destituição”.

Este esforço tem poucas possibilidades de êxito na Câmara dos Representantes, dominada pelo partido republicano.

Sherman nem sequer tem o apoio de muitos dos seus correligionários democratas.

Os próprios líderes dos democratas têm-se distanciado dos esforços para destituir Trump, acreditando que apenas servem para estimular os apoiantes do ocupante da Casa Branca.

A resolução de Sherman conta, porém, com o co-patrocínio do representante democrata Al Green, eleito pelo Estado do Texas.

Sherman entregou o documento um dia depois de o filho do presidente, Donald Trump Jr., ter admitido que se reuniu com uma advogada russa durante a campanha. A advogada prometeu informação do governo russo prejudicial para a então candidata presidencial democrata Hillary Clinton.

Trump Jr. Garantiu que não recebeu informação sobre Clinton durante a reunião.

O presidente tem questionado os seus próprios serviços de informações e recusado a tese da interferência russa nas eleições.

Contudo, as autoridades federais garantem que têm provas irrefutáveis da interferência do Kremlin na eleição presidencial norte-americana.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos