Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Confrontado com diversas crises, Presidente Donald Trump queixa-se de tratamento injusto

 

Washington, 17 Mai (Inforpress) – O Presidente dos EUA, Donald Trump considerou hoje estar a ser vítima de um “tratamento injusto” na sequência das acusações de entrave à justiça e de transmitir segredos à Rússia, traindo o aliado israelita.

“Nenhum homem político na história, e digo isto com muita certeza, foi tratado de forma tão injusta”, lamentou o 45.º Presidente dos Estados Unidos durante um discurso na Escola da Guarda costeira norte-americana.

Aos alunos presentes, transmitiu um conselho inspirado pela sua própria aventura política: “Nunca, mas nunca se deixem derrubar”.

Estas frases foram a única alusão do chefe de Estado ao ambiente de crise que desde há uma semana alastra pela capital federal dos EUA, e quando os seus aliados republicanos ainda parecem apoiá-lo, apesar de estarem a abordar a atual situação de forma particularmente séria.

O multimilionário, que ocupa a Casa Branca desde 20 de janeiro, começou por despedir James Comey da chefia do FBI, apresentando como pretexto a sua gestão no caso dos correios eletrónicos de Hillary Clinton, antes de admitir que tinha decidido há muito o seu afastamento.

Trump está ainda exasperado pela persistência do inquérito sobre um eventual conluio entre os membros da sua equipa de campanha e a Rússia.

De seguida, o New York Times revelou que, em fevereiro, terá pedido a Comey para arquivar o inquérito sobre Michael Flynn, o seu efémero conselheiro para a segurança nacional e suspeito de contactos duvidosos com os russos. Comey registou por escrito esta tentativa de abafar um inquérito, e que foram de seguida progressivamente revelados pelos ‘media’.

O Congresso reagiu e na quarta-feira pediu a Comey para testemunhar numa audição pública, exigindo ainda a apresentação dos seus apontamentos, que se tornaram nos documentos mais cobiçados nos Estados Unidos.

Perante uma situação turbulenta, juntou-se ainda outro caso distinto, que segundo os detratores do Presidente reflete a sua capacidade em exercer a função suprema.

Em 11 de maio, transmitiu ao chefe da diplomacia russa e ao embaixador de Moscovo, em pleno Gabinete oval, informações secretas sobre um projeto de operação do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

A Casa Branca não contesta estas revelações, mais insiste que a partilha de informações é uma prerrogativa absoluta do Presidente.

 

No entanto, fonte da administração confirmou à agência noticiosa France Presse que estas informações ultrassecretas tinham sido fornecidas por Israel, cujos métodos e fontes nos territórios da organização ‘jihadista’ se arriscam desta forma a serem revelados.

Na Rússia, o Presidente Vladimir Putin ironizou sobre os conflitos instalados em Washington e propôs ao Congresso fornecer a transcrição do encontro no Gabinete oval, para provar que o Presidente norte-americano não divulgou nada de secreto.

Em Israel, onde Trump é esperado na segunda-feira durante um périplo internacional, o Governo absteve-se de qualquer comentário.

O secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, negou “qualquer perturbação” nas relações com os aliados dos EUA, mas diversos observadores interrogam-se sobre o futuro da cooperação entre aliados na área das informações.

“Os acontecimentos das duas últimas semanas abalaram a minha confiança na competência e credibilidade desta administração”, observou Chuck Schumer, chefe da oposição democrata no Senado.

De momento, os republicanos recusam aliar-se aos apelos da oposição democrata para a nomeação de um procurador especial para retomar o inquérito sobre a Rússia.

No entanto, a generalidade dos eleitos ao Congresso sabe que o testemunho de James Comey será determinante para o futuro da Presidência Trump.

“Precisamos de factos”, declarou o presidente da Câmara dos representantes, Paul Ryan, apelando à calma e manifestando confiança no Presidente.

No entanto, começam a surgir fissuras no dique republicano.

Um grupo de republicanos é de momento favorável, com os democratas, à criação de uma comissão de inquérito independente sobre todas as incidências do “caso russo”.

Um deles é o senador John McCain, que comparou a situação, pela sua amplitude, ao escândalo do Watergate que em 1974 provocou a queda de Richard Nixon.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos