Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Concelhos de Santo Antão entre os nove municípios-piloto do Programa Plataforma para o Desenvolvimento Local

Ribeira Grande, 21 Jul (Inforpress) – Os três concelhos da ilha de Santo Antão – Porto Novo, Ribeira Grande e Paul – vão fazer parte dos nove municípios-piloto do Programa Plataforma para o Desenvolvimento Local para reforço do combate à pobreza.

A informação foi transmitida hoje pela facilitadora Marcelina Ramos, durante o workshop participativo que decorre na cidade da Ribeira Grande, durante o qual serão identificadas e seleccionadas ideias de projectos que, depois de elaborados, possam ser financiados no âmbito do Fundo de Descentralização.

“São cerca de 144 mil contos divididos pelos nove municípios-piloto do Programa Plataforma para o Desenvolvimento Local e Objectivos 2030 Cabo Verde (três de Santo Antão, três do Fogo, São Salvador do Mundo, Ribeira Grande de Santiago e Brava)”, explicou Marcelina Ramos adiantando que os outros 13 concelhos também vão beneficiar deste projecto, mas com um valor de 11 mil contos cada.

Segundo Marcelina Ramos, o Fundo conta com o financiamento do Grão-Ducado do Luxemburgo e a sua implementação e gestão estão sob a alçada do PNUD, em estreita articulação com o Governo de Cabo Verde, através da Direcção Nacional do Planeamento do Ministério das Finanças.

“O programa PNUD vai decorrer num período de 18 meses e vamos trabalhar, num primeiro momento, identificando projectos e, depois, passamos para a fase de concretização do mesmo”, pontuou Marcelina Ramos.

A facilitadora avançou ainda que os formandos vão ter todo um seguimento dos formadores e vão ser acompanhados, de dois em dois meses, para avaliação e aconselhamento quanto ao andamento do projecto.

O vereador da Câmara Municipal da Ribeira Grande Francisco Dias avançou que a câmara foi chamada, juntamente com associações da sociedade civil, a elaborar projectos que possam ser financiados no âmbito do Fundo de Descentralização.

“Os projectos têm que estar enquadrados no Plano Estratégico Municipal de Desenvolvimento Sustentável e vamos identificar um projecto que possa ser desenvolvido tanto pela Câmara como pelas associações aqui representadas”, explicou Francisco Dias.

O eleito municipal acrescentou ainda que foram convidadas cerca de 20 associações “que estão mais activas e que têm vindo a ser parceiros desde o início da elaboração do plano”.

“Infelizmente, devido à actual situação que vivemos não podemos ter todos aqui presentes, mas estamos com um número suficiente para identificar alguns projectos para apresentarmos ao Fundo de Descentralização”, concluiu Francisco Dias.

LFS/HF//CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos