Compras públicas electrónicas representam uma ferramenta fundamental para melhoria do sistema de contratação pública – ARAP (c/áudio)

Cidade da Praia, 14 Nov (Inforpress) – A presidente da Autoridade Reguladora das Aquisições Públicas (ARAP), Carla Sousa, disse hoje que o “E-procurement” ou compras públicas electrónicas representa uma das ferramentas fundamentais para a melhoria do sistema de contratação pública.

Aquela responsável falava na sequência da realização, de hoje e até sexta-feira, na cidade da Praia, do III congresso internacional das compras públicas que tem como tema central “E- procurement, compliance e seus instrumentos de integridade e contratações públicas”.

Um evento que acontece no quadro da XXII edição da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC) e que reúne representantes de todos os países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

De acordo com Carla Sousa, esse encontro servirá para discutir sobre novas ferramentas que estão ao serviço da contratação pública, visando a melhoria do desempenho não só da ARAP, mas também de todos os intervenientes do sistema nacional de contratação pública.

“A ideia é partilhar experiências, nossos conhecimentos para que possamos tomar as melhores decisões nos nossos países. Portanto é para melhorar no fundo as nossas capacidades de actuar em matéria de contratação pública”, sublinhou.

Na sua perspectiva, o E-procurement se apresenta como uma solução que oferece à desmaterialização e optimização dos processos de contas públicas.

“Estou a falar das novas tecnologias, dos instrumentos que permitem dinamizar o mercado das pequenas e médias empresas (PME), contratos de concessões, na profissionalização dos compradores públicos, ferramentas fundamentais para que possamos continuar essa jornada com sucesso”, precisou.

A presidente da ARAP sustentou que o E-procurement facilita a participação cada vez mais de potenciais fornecedores nos processos de contratação pública, com enfoque especial para as PME, independentemente da sua localização geográfica.

Em Cabo Verde adianta que já há alguns avanços, mas salientou que ainda é preciso fazer uma caminhada, acelerar os passos para aproveitar ao máximo todas as potencialidades da economia digital e garantir essas melhorias.

A cerimónia de abertura do congresso foi presidida pelo secretário de Estado das Finanças, Gilberto Barros, que realçou as compras públicas electrónicas como parte da solução para a melhora do sistema das aquisições públicas.

Contudo, o governante alertou para a necessidade de considerar o sistema no seu todo.

“Não olhar para o e-procurement como a vara mágica, porque essa vara mágica não existe. Portanto seria importante olhar para todo o sistema e quando falo de todo o sistema estou também a referir primeiramente à capacidade das instituições em realizar aquisições de bens ou serviços”, explicou.

“Sem equipas, sem pessoas capacitadas fica difícil o e-procurement resolver o problema”, acrescentou, defendendo uma forte aposta na profissionalização e especialização na área das aquisições públicas.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos