Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Comité para Saúde do Parlamento Africano alerta para inclusão dos presos na luta para erradicação da tuberculose

Cidade da Praia, 06 Ago (Inforpress) – O presidente de Comité para Saúde do Parlamento Pan-Africano, Christopher Kalila, alertou hoje para necessidade se incluir os presos na luta para erradicação da tuberculose, para que os objectivos possam ser alcançados.

Christopher Kalila, que intervinha no debate durante a 3ª Cimeira Africana sobre a Tuberculose, a decorrer na Cidade da Praia, disse que nas prisões africanas existem “milhões de africanos” a viverem em “condições precárias” de sobrelotação e problemas alimentares e a contrair doenças como a tuberculose.

Conforme indicou, uns morrem, mas outros vão para as comunidades e acabam por contagiar as pessoas com as quais mantém o contacto e passam também essa doença para os funcionários do sistema carcerário, que interagem regularmente com o exterior.

Neste sentido apelou a todos para levarem em conta a questão da saúde nas prisões, no âmbito do programa de trabalho, para que todos, enquanto defensores dos direitos humanos em África, possam interessar-se sobre o bem-estar dos reclusos.

“O único direito do recluso que deve ser privado é o direito à livre circulação. Portanto, nessa luta contra a tuberculose, temos de ter em conta os milhões de reclusos que estão encarcerados nas prisões africanas, porque depois irão sair da prisão e colocar a baixo todos os resultados da luta contra tuberculose”, alertou, adiantando que é necessário “não deixar ninguém para trás” nessa luta.

Christopher Kalila adiantou que há dois documentos que devem analisar, nomeadamente as normas mínimas das Nações Unidas para o tratamento dos reclusos que apresentam um conjunto de informações a nível daquilo que deve ser feito a nível da saúde dos reclusos.

Para já sugeriu a rastreamento da tuberculose nas prisões e também o tratamento preventivo para evitar a multiplicação da doença.

Durante a manha de hoje, a Cimeira Africana sobre a Tuberculose contou o testemunho de países como Nigéria, Namíbia, Kénya, Moçambique e Guiné Conakry, no combate a essa doença que mata anualmente cerca de 1,5 milhões de pessoas em todo mundo.

A meta global é de erradicar a tuberculose no horizonte de 2035.

A III Cimeira Africana sobre Tuberculose, que acontece no âmbito da reunião conjunta da Comissão Permanente do Parlamento Pan-Africano reúne deputados do parlamento Pan-Africana dos 34 países, representantes do grupo parlamentar africano da luta contra tuberculose, da OMS, do Fundo Global, da UNICEF, da NEPAD, da Aliança Africana das pessoas com deficiência, e da sociedade civil.

MJB

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos