Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Comissário chinês em Macau defende cooperação com ONU para enfrentar “pandemia do século”

Macau, China, 28 Out (Inforpress) – O comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) da China em Macau, Liu Xianfa, defendeu hoje a importância da cooperação com as Nações Unidas, numa altura em que o mundo atravessa “a pandemia do século”.

“Numa altura em que o mundo atravessa mudanças turbulentas sem precedentes e a pandemia do século, é mais importante do que nunca que a comunidade internacional dê as mãos para enfrentar os desafios e alcançar um desenvolvimento comum”, apontou Xianfa, defendendo a importância de “praticar um multilateralismo genuíno” e “apoiar firmemente as Nações Unidas no desempenho do seu papel central”.

Liu Xianfa falava na abertura de um seminário organizado em Macau para assinalar o 50.º aniversário do reconhecimento da República Popular da China pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Em 25 de Outubro de 1971, a ONU aprovou a resolução 2.758 – com 76 votos a favor, 35 contra e 17 abstenções, além de três ausências – para reconhecer a República Popular da China como “o único representante legítimo da China nas Nações Unidas”.

“Esta foi uma vitória para o povo chinês, bem como para os povos de todos os países do mundo”, defendeu o comissário, num discurso citado num comunicado, disponível apenas em chinês.

“Nos últimos 50 anos, a China praticou os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas com acções práticas, assumiu a liderança na implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, prosseguiu uma política externa independente de paz, defendeu a justiça [e] opôs-se resolutamente à hegemonia”, disse.

No discurso para assinalar a efeméride, o comissário do MNE chinês em Macau apontou ainda que o território, com “uma história de mais de 400 anos de intercâmbios culturais entre a China e o Ocidente, onde diversas culturas coexistem”, tem “um papel importante na cooperação entre a China e as Nações Unidas”, tendo “vindo a alargar continuamente os intercâmbios e a cooperação com o estrangeiro”.

O comissário citou como exemplo a inclusão de Macau na lista do Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura (UNESCO), em 2005, ou a certificação de equipas médicas de emergência do território pela Organização Mundial de Saúde (OMS), desde 2019.

Xianfa afirmou ainda que a China “continuará a defender os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas” e a “promover vigorosamente os valores comuns de paz, desenvolvimento, equidade, justiça, democracia e liberdade”.

Na segunda-feira, o Presidente chinês, Xi Jinping, insistiu na “coexistência pacífica” e defendeu que “ninguém deve ditar a ordem internacional”, numa crítica velada aos Estados Unidos da América (EUA), no discurso que assinalou o 50.º aniversário do reconhecimento da República Popular da China pela ONU, em 1971.

Nessa altura, foram expulsos os nacionalistas do Kuomintang (KMT), que se estabeleceram em Taiwan, em 1949, após perderem a guerra civil contra os comunistas. Taiwan passou então a ter a designação oficial de República da China. Na década de 1990 o território realizou a transição para a democracia.

A China insiste em “reunificar” a República Popular com a ilha e não descartou o uso da força para esse efeito.

Taiwan, desde então, ficou de fora da ONU e de outras organizações, sob pressão da China, com poucas excepções, como a OMS, na qual participou como observador sob o nome de Taipé Chinês.

No domingo, o Departamento de Estado dos EUA disse em comunicado que os seus representantes mantiveram conversas com o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Taiwan para “expandir a participação de Taiwan” nas Nações Unidas e em outros fóruns internacionais.

Um dia depois, o ex-embaixador chinês nos EUA Cui Tankai disse que Pequim “nunca permitirá” que Taiwan participe na ONU e que “isso simplesmente vai contra a tendência da História”.

Taiwan é uma das principais fontes de conflito entre Washington e Pequim, visto que os EUA são o principal fornecedor de armas da ilha e seriam o seu maior aliado militar em caso de uma guerra com a China.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos