Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Comissão Internacional Direitos Humanos abre portas a parcerias com ADEVIC

Cidade da Praia, 09 Set (Inforpress) – A Comissão Internacional dos Direitos Humanos, recentemente instalada no País, manifestou hoje a sua determinação em colaborar com a Associação dos Deficientes Visuais de Cabo Verde (ADEVIC), de forma a contribuir para o desenvolvimento integral desta organização.

Esta pretensão foi manifestada à imprensa pela responsável desta instituição, sediada na República Checa, Princess Adawoyin, no final da visita à sede da ADEVIC, onde se inteirou, de forma pormenorizada do funcionamento, no quadro da defesa dos direitos humanos, sobretudo com a deficiência visual.

Princess Adawoyin deixou aberta a possibilidade de estreitar esta parceria com a ADEVIC na melhoria dos refeitórios, dormitórios, serviços de produção e de toda a sua instalação no quadro de um fundo proveniente directamente da República Checa.

Ao mesmo tempo, anunciou projectos em cursos virados para os moradores dos bairros da Cidade da Praia, nomeadamente Alto da Glória, Achada Mato e rua 13 de Janeiro em Palmarejo.

Esta visita foi enaltecida pelo presidente da ADEVIC, Marciano Monteiro, com o argumento que as duas organizações estão em sintonia quanto aos trabalhos que se realizem em defesa dos direitos das pessoas, de âmbito nacional, e consequentemente na melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência visual no território nacional.

Considerou de “muito benéfica” para a sua organização receber a primeira visita em Cabo Verde desta organização internacional, por entender que adequa aos objectivos criados pela ADEVIC, pelo que considerou que premeia a forma com a sua organização vem trabalhando para o beneficio da sociedade, particularmente da camada das pessoas com deficiência visual.

Manifestou, entretanto, a sua grande inquietação sobre o arranque do novo ano lectivo, defendendo a “educação como um direito que a ADEVIC também defende para as pessoas cegas”, ressalvando que devem ter aceso o direito à educação.

“Se dantes era muito mais complicado, agora tornou-se muito mais com a problemática da pandemia”, lamentou.

A este propósito, prognosticou que o formato do ensino para o ano lectivo que vem será de uma forma diferente, num contexto fora do normal, pelo que acredita que as famílias não terão as condições de adquirir as ferramentas necessárias que permitam as pessoas com deficiência visual ter aulas à distância.

Por isto, avançou que a ADEVIC está já a elaborar um plano para trabalhar “arduamente”, com vista a minimizar os problemas, com apoios do próprio Governo, mas também dos privados e das organizações, consciente que por si só a organização que dirige não poderá minimizar os constrangimentos.

“Se não tiver uma mão amiga para equacionar todas as dificuldades, teremos dificuldades na criação de condições para que as pessoas com deficiência visual não fiquem fora do sistema de ensino em todos os níveis”, alertou Marciano Monteiro.

SR/DR
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos