Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Coligação de imprensa lança alerta sobre situação de jornalistas mulheres no mundo

Lisboa, 02 Mar (Inforpress) – A coligação internacional de meios de comunicação em defesa da liberdade de imprensa One Free Press Coalition divulgou hoje a sua lista de casos prioritários de jornalistas ameaçados, desta vez focada nas mulheres e incluindo uma assassinada.

Esta lista mensal, a 25.ª desde que a coligação começou a divulgá-la, organizada em função do Dia Internacional da Mulher, abre com o caso da síria Tal al-Mallohi, que está detida sem acusação por ordem de um conselheiro de segurança de Bashar al-Assad, depois de ter passado mais de 10 anos nas prisões do regime.

O segundo caso é o da ‘freelance’ egípcia Solafa Magdy, que está detida, cuja saúde está em rápida deterioração, estado este agravado por negligência médica e abusos sofridos na prisão.

Seguem-se as bielorrussas Katsiaryna Andreyeva e Darya Chultsova, jornalista independente e operadora de câmara respetivamente, condenadas a dois anos de prisão por cobrirem os protestos antigovernamentais.

Para a mexicana Maria Elena Ferral Hernández, correspondente e fundadora de um sítio noticioso na internet, é exigida justiça, uma vez que passa um ano em 30 de Março do seu assassínio no Estado de Veracruz por dois homens não identificados, que a alvejaram a partir de um motociclo, depois de ter recebido ameaças.

Também depois de anos a receber ameaças, a vietnamita Pham Doan Trang, repórter na internet e fundadora de uma revista, está detida desde Outubro, a aguardar julgamento, acusada de ofensas anti-estatais.

Nas Filipinas é o caso de Frenchie Mae Cumpio, jornalista na internet e animadora radiofónica, a ser singularizado pela coligação de meios. Detida desde há um ano, esta jornalista, que cobre abusos da polícia e dos militares, incorre em uma sentença de seis anos e meio.

O sétimo caso é o da jornalista indígena guatemalteca Anastasia Mejía, que foi detida sob acusações de ter difundido e participado em uma acção de protesto contra um dirigente local. No mesmo dia a sua casa foi invadida. Encontra-se em prisão preventiva desde há mais de um mês.

Na Turquia, Aysegul Dogan, está em liberdade, depois de ter recorrido de uma sentença que a pode colocar mais de seis anos na prisão, por acusações falsas de terrorismo.

O penúltimo caso é o de Neha Dixit, da Índia, que sofreu uma tentativa de assalto ao seu domicílio, assédio, telefonemas ameaçadores ao longo de meses, com ameaças de morte, referindo-se ao seu jornalismo, bem como um processo de difamação em curso.

A lista encerra com a chinesa Haze Fan, da Bloomberg News, em Pequim, que está detida por suspeitas de ameaças à segurança nacional.

Entre as dezenas de associados da One Free Press Coaliton estão as agências Bloomberg, Efe, Reuters e AP, a televisão Al Jazeera, os meios europeus Corriere Della Sera, De Standaard, Deutsche Welle, Süddeutsche Zeitung e EURACTIV, os ‘económicos’ The Financial Times, Forbes e Fortune, a revista TIME ou ainda o The Washington Post.

A One Free Press tem como parceiros o Comité de Protecção dos Jornalistas e a Fundação Internacional das Mulheres nos Meios.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos