Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Clínico especialista em desporto Humberto Évora quer medicina desportiva funcional no País

 

Cidade da Praia 18 de Jul. (Inforpress) – O médico Humberto Évora destacou hoje a implementação da medicina desportiva no País como sendo determinante para traçar um “esqueleto” para se conseguir organizar um serviço de medicina desportiva funcional para os atletas cabo-verdianos.

Humberto Évora disse igualmente que é preciso encontrar uma estrutura que seja eficaz e não construir as coisas com navegação à vista, em declarações à imprensa, na manhã de hoje, no âmbito do “workshop sobre a medicina desportiva, organizado pelo Comité Olímpico Cabo-verdiano em parceria com a Direcção Geral dos Desportos, no pavilhão desportivo Váva Duarte.

O clínico residente em Macau entende que é preciso traçar objectivos e dentro desses propósitos traçar esquemas de funcionamento sempre com a colaboração de todas as entidades envolvidas no desporto.

Destacou principalmente a importância do envolvimento da parte médica, pois, sendo “uma especialidade médica têm de ter a parceria da Direcção-Geral de Saúde que terá um papel fundamental principalmente quando se trata da morte súbita e outros problemas ligados ao desporto”.

Segundo Humberto Évora, os elementos debatidos neste evento são aqueles que constituem os objectivos centrais na medicina desportiva como os exames médicos desportivos, apoio à organização de eventos desportivos sejam nacionais ou internacionais e também a prevenção das lesões adquiridas no desporto.

Perante este cenário, o director-geral dos Desportos, Anildo Santos, relembrou o caso do atleta do Tarrafal (ilha de Santiago), Wilson Júnior Tavares, que perdeu a vida durante uma partida de futebol, mas considera que há outros casos que às vezes são causados devido à “má prática” desportiva que vem aliado a outras práticas não apropriadas ao desporto.

Para além destas causas, aponta para as lesões crónicas que não são detectadas no momento certo, e avançou mesmo que vai ser debatido com os ex-atletas que passaram por essas situações para, acima de tudo, criar um aporte para os agentes desportivos jogarem na antecipação e prevenção dessas lesões.

Depois da Cidade da Praia, a ilha do Fogo recebe o evento no dia 21, na cidade de São Filipe, sede da Cruz Vermelha, estando o dia 24 reservado à ilha de São Vicente no Centro de estágio e termina a 27 na ilha do Sal no espaço desportivo do Académico do Aeroporto do Sal.

EA/SR/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos