Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cinquenta jornalistas mortos em 2020, cada vez mais em zonas de paz – Repórteres sem Fronteiras

Paris, 29 Dez (Inforpress) – Este ano foram mortos 50 jornalistas e quase sete em cada 10 em países em paz e não em zonas de guerra, indicou a organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) no seu relatório anual publicado hoje.

Enquanto o número de mortos “permanece estável” em comparação com os 53 jornalistas mortos em 2019, cada vez mais “estão a ser assassinados em países em paz”, ou seja, 34 pessoas, representando 68% do número total dos homicídios, segundo a organização não-governamental (ONG) francesa, que elaborou este relatório entre 01 de Janeiro e 15 de Dezembro.

A proporção de jornalistas mortos em zonas de conflito está a diminuir constantemente, de 58% em 2016 para 32% este ano em países como a Síria e o Iémen ou “zonas minadas por conflitos de baixa ou média intensidade” como o Afeganistão e o Iraque.

O México é o país mais mortífero para a profissão com oito mortos, seguido da Índia e Paquistão com quatro cada, Filipinas e Honduras, ambos com três.

De todos os jornalistas mortos em 2020, 84% foram deliberadamente visados e deliberadamente eliminados, em comparação com 63% em 2019.

“Alguns deles foram mortos em condições particularmente bárbaras”, salienta a RSF, apontando como exemplo o jornalista mexicano Julio Valdivia Rodriguez do diário El Mundo de Veracruz, que foi encontrado decapitado na parte oriental do estado, e o seu colega Victor Fernando Alvarez Chavez, editor de um ‘site’ de notícias local, que foi desmembrado na cidade de Acapulco.

Na Índia, o jornalista Rakesh Singh “Nirbhik” foi “queimado vivo após ter sido pulverizado com um gel altamente inflamável, enquanto o jornalista Isravel Moses, correspondente de uma estação de televisão Tamil Nadu, foi morto com golpes de machetes”, relata RSF.

No Irão, o Estado condenou o administrador do canal Telegram Amadnews, Rouhollah Zam, à morte e depois executou-o por enforcamento.

Cerca de 20 jornalistas de investigação foram mortos este ano, 10 investigavam casos de corrupção local e desvio de fundos públicos, quatro investigavam a máfia e o crime organizado e três trabalhavam em questões ambientais.

A RSF também regista a morte de sete jornalistas que cobriram manifestações no Iraque, Nigéria e Colômbia, um “novo desenvolvimento”, salientou a ONG.

Na primeira parte do seu relatório anual, publicado em meados de Dezembro, RSF contava 387 jornalistas presos, “um número historicamente elevado”.

A Federação Internacional de Jornalismo, por seu lado, contabilizou 2.658 jornalistas mortos desde 1990.

Inforpress/Lusa

Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos