Cidade da Praia acolhe XIII Congresso Mundial dos Farmacêuticos da Língua Portuguesa em 2018

Cidade da Praia, 04 Abr (Inforpress) – O XIII Congresso Mundial dos Farmacêuticos da Língua Portuguesa acontece em Outubro de 2018, na Cidade da Praia, anunciou hoje a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, Maria da Luz Leite.

O anúncio foi feito durante o I Encontro Luso-Cabo-Verdiano do Sector Farmacêutico, promovido pela Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde e a Ordem dos Farmacêuticos de Portugal, com o objectivo de estreitar os laços entre as duas organizações profissionais e reflectir sobre o exercício farmacêutico ao serviço dos cidadãos e da saúde pública.

Segundo Maria da Luz Leite, o congresso é organizado de dois em dois anos pela Associação dos Farmacêuticos dos Países da Língua Portuguesa (AFPLP), sendo que será a terceira vez que o referido evento vai acontecer no país, mas a primeira sobre a égide da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, criada a menos de um ano.

“Os congressos da AFPLP têm vindo a assumir-se como um espaço privilegiado da comunidade farmacêutica lusófona, destinado a promover a aproximação dos profissionais que actuam no sector farmacêutico e das entidades que regulam a profissão, assim como o desenvolvimento da cooperação entre os países de língua portuguesa”, frisou.

Os dois anteriores congressos que aconteceram em Cabo Verde tiveram lugar na Cidade da Praia, sendo o IV em 1999 e o IX em 2008.

Da mesma forma, Maria da Luz Leite considerou a qualificação permanente dos farmacêuticos como sendo “indispensável” para a sua afirmação enquanto profissionais da área e o desejo de contribuir para a melhoria do sistema de saúde, motivo para que a ordem tenha assumido a formação contínua e a cooperação institucional, no país e além-fronteiras, como prioridades no triénio 2016-2018.

Desta feita, a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Portugal, Ana Paula Martins, lembrou que, através da AFPLP, a ordem que dirigi tem promovido actividades conjunta e em campanhas comuns com a ordem cabo-verdiana, na área da saúde pública, na promoção da saúde e na prevenção das doenças.

“Já identificamos duas áreas concretas de trabalho, nomeadamente o desenvolvimento da especialidade e das competências para os farmacêuticos cabo-verdianos na área hospitalar, e também, ao nível da farmácia comunitária, a possibilidade de termos projectos, quer da promoção da saúde, quer da promoção da doença”, apontou.

DR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos