Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cidade da Praia acolhe terceiro workshop regional sobre contas nacionais

 

Cidade da Praia, 30 Out (Inforpress) – A Cidade da Praia acolhe de hoje a sexta-feira, 03, o terceiro Workshop Regional sobre as Contas Nacionais, promovido pelo Centro Regional de Assistência Técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) – AFRITAC West 2 em parceria com o INE.

O evento, que reúne técnicos de Cabo Verde, da Serra Leoa, da Gâmbia, da Nigéria, da Libéria e do Gana, visa discutir o desenvolvimento e a manutenção de registos de empresas, bem como as técnicas de amostragem e estimativa.

Segundo a representante do AFRITAC, Donne Marie Grcman, este encontro baseia-se nos princípios delineados no segundo workshop, que se concentrou nas estatísticas económicas de acordo com as melhores práticas e padrões internacionais.

“Durante esses dias vamos falar de técnicas de amostragem e estimativa e de como compor os dados para o PIB”, disse realçando a importância desse seminário para o AFRITAC.

Para o presidente do Instituto Nacional de Estatística (INE) de Cabo Verde, Osvaldo Borges, esse encontro veio em boa hora na medida em que permite ao INE afinar as técnicas e procedimentos em matéria de recolha de estimativas com base na amostragem e alguns procedimentos que o país tem vindo a realizar.

No momento em que o INE prepara para realizar o quinto recenseamento empresarial, que terá lugar em 2018, Osvaldo Borges salientou que há que fazer um esforço conjunto no sentido de ir apenas uma vez às empresas e tomar todos os dados.

A solução, conforme adiantou, poderá passa pela utilização das fontes administrativas e na criação de uma plataforma única onde todos os serviços vão lá tirar as informações que precisam, à semelhança do já acontece em outros países.

Mas para que tal aconteça, o presidente do INE sublinhou que há que fazer um trabalho de fundo, com implicações de ordem legal, financeira e de ordem tecnológica.

“Isso irá evitar, sobretudo, enormes custos que tem vindo a acontecer e, por outro lado, uma sobrecarga grande de pedidos às empresas por parte das diversas instituições que trabalham com estatísticas”, salientou.

Ao presidir a cerimónia de abertura do workshop da AFRITAC, o ministro das Finanças, Olavo Correia, realçou importância desse encontro, sublinhando que para se desenhar as políticas há que medir e conhecer as estatísticas de cada sector e de forma particular das empresas.

“Daí a importância desse workshop para permitir-nos conhecer melhor a realidade das empresas e permitir que as políticas públicas sejam inteligentes, sejam feitas com base em factos, em números, com dados e não com base em mera vontade de quem tem poder num determinado momento”, disse.

Entretanto chamou a atenção para necessidade de se produzir dados credíveis e em tempo oportuno.

“Produzir fora de tempo é apenas custo. É preciso que sejamos oportunos, que consigamos produzir as informações em tempos certo. Em tempo em que elas possam ser utilizadas para a governação pública empresarial e também pela sociedade civil”, salientou.

Neste sentido reiterou o engajamento do Governo em dar o INE as condições que precisa para desempenhar a sua função da melhor forma.

MJB/CP

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos