China e Austrália embarcam no caminho certo para melhorarem as relações, diz Xi

Beijing, 6 Nov (Inforpress) – O presidente chinês, Xi Jinping, se reuniu em Beijing nesta segunda-feira com o primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, dizendo que a China e a Austrália embarcaram no caminho certo para melhorarem as relações.

“Este ano marca o 50º aniversário da visita do primeiro-ministro australiano, Gough Whitlam. Sua visita agora é uma viagem para refazer a história e planejar o futuro. Graças aos esforços conjuntos de ambos os lados, China e Austrália retomaram o intercâmbio em vários campos e embarcaram no caminho certo para melhorarem as relações”, expressou Xi a Albanese, citado pela Xinhua.

Xi lembrou que a China e a Austrália são países da Ásia-Pacífico e importantes membros do G20, sem queixas históricas ou conflitos de interesse fundamentais, mas com todos os motivos para serem parceiros de confiança mútua e conquistas recíprocas. Ele pediu aos dois lados que mantenham a direcção certa das relações bilaterais em meio às profundas mudanças no mundo.

Do ponto de vista do interesse próprio, o mundo é pequeno e lotado, com riscos e competição o tempo todo. Do ponto de vista do destino compartilhado, o mundo é vasto e amplo, com oportunidades e cooperação em todos os lugares. Nas águas turbulentas da crise global, os países não estão andando em mais de 190 pequenos barcos, mas sim em um grande barco com um destino comum, explicou Xi.

Xi entende ainda que a China e a Austrália devem seguir a tendência dos tempos, proceder a partir dos interesses comuns dos dois países, buscar uma relação bilateral que trate um ao outro em pé de igualdade, busque terreno comum enquanto deixa de lado as diferenças e procura por cooperação mutuamente benéfica, e impulsione a parceria estratégica abrangente China-Austrália.

Isso serve aos interesses comuns dos dois países e seus povos, atende às expectativas comuns dos países da região e ajuda a comunidade internacional a responder melhor aos riscos e desafios trazidos pelas mudanças nunca vistas em um século, ressaltou ele.

O presidente chinês enfatizou que, actualmente, a economia global está enfrentando factores cada vez mais desestabilizadores, incertos e imprevisíveis, e as economias de todos os países estão enfrentando desafios consideráveis. Diante de um ambiente externo complexo, a economia chinesa resistiu à pressão, estabilizou seu tamanho e melhorou sua qualidade.

“O desenvolvimento da China ainda tem uma base sólida e muitas condições favoráveis. Com seu desenvolvimento estável, o país trará uma valiosa certeza para a incerta economia mundial. A China não pode se desenvolver isolada do mundo, e o mundo precisa dela para seu desenvolvimento”, apontou.

O Presidente da China salientou que os conceitos de “quintal pequeno, cerca alta”, “desacoplamento e corte das cadeias industriais e de suprimentos”, ou “desarriscar”, são essencialmente o protecionismo, o que vai contra as leis do mercado, as leis do desenvolvimento científico e tecnológico e a tendência da sociedade humana.

Este líder acentuou que a China segue uma estratégia de abertura vantajosa para todos, busca um novo padrão de desenvolvimento e promove de forma abrangente sua transformação em um país forte e a conquista da revitalização nacional por meio de um caminho chinês para a modernização, o que trará oportunidades sem precedentes para a Austrália e outros países.

“A China e a Austrália devem aumentar a compreensão e a confiança mútuas por meio da coexistência pacífica e alcançar o desenvolvimento comum por meio da cooperação mutuamente benéfica”, apontou Xi.

Ele pediu aos dois lados que aproveitem ao máximo o potencial do Acordo de Livre Comércio China-Austrália, expandam a cooperação em áreas emergentes, como mudanças climáticas e economia verde, defendam o sistema de livre comércio global e regional e proporcionem um ambiente de negócios sólido para o investimento e a operação de empresas.

O presidente também constatou que os dois governos devem apoiar os intercâmbios entre suas legislaturas, partidos políticos, think tanks, jovens e regiões subnacionais, facilitar as viagens transfronteiriças e aumentar a compreensão mútua e a amizade entre os dois povos para cimentar o apoio público à amizade entre os dois países.

Xi disse que na região da Ásia-Pacífico, a China não se envolve em grupos exclusivos, blocos políticos ou confrontos de campo. “Pequenas panelinhas não podem resolver os grandes desafios que o mundo enfrenta nem se adaptar às mudanças drásticas no mundo de hoje”, considerou, pedindo vigilância e oposição às tentativas de lançar a região no caos.

“A China está pronta para realizar mais cooperação trilateral e multilateral com a Austrália para apoiar os países do Pacífico Sul no aumento da resiliência do desenvolvimento, no enfrentamento das mudanças climáticas e de outros desafios, e na manutenção da paz e da estabilidade na região da Ásia-Pacífico por meio da abertura e da inclusão”, explicou o presidente chinês.

Anthony Albanese, por sua vez, revelou que foi uma “grande honra” fazer uma visita oficial à China nesta ocasião histórica do 50º aniversário da visita de Whitlam. Referiu que, nos últimos anos, a China fez conquistas notáveis na redução da pobreza e no desenvolvimento e que a Austrália e o mundo se beneficiaram significativamente do desenvolvimento de longo prazo, estável e sustentado da China.

O primeiro-ministro da Austrália ressaltou ainda que os dois lados devem se respeitar, ser iguais e se beneficiar mutuamente, manter a comunicação, melhorar o entendimento e a cooperação e alcançar resultados vantajosos para ambas as partes. Ele exaltou que o povo chinês tem direito ao desenvolvimento e que está sempre optimista com a economia chinesa.

“Como a Austrália e a China têm sistemas políticos diferentes, é normal que ocorram diferenças, mas não se deve permitir que elas definam a relação. A Austrália e a China compartilham amplos interesses comuns, e o diálogo e a cooperação são a escolha certa”, enfatizou.

Ele garantiu que a Austrália adere à política de Uma Só China e está pronta para trabalhar com a China para promover o desenvolvimento constante das relações bilaterais, fortalecer os intercâmbios económicos e comerciais, aumentar a cooperação em energia limpa e mudanças climáticas e trazer mais benefícios para os dois povos.

Este governante expressou o desejo de avançar na comunicação com a China sobre assuntos regionais, incluindo o Fórum das Ilhas do Pacífico.

Inforpress/Xinhua

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos