Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO decidem um período de 12 meses para a transição no Mali (c/áudio)

Cidade da Praia, 28 Ago (Inforpress) – Os Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO decidiram hoje, em cimeira extraordinária, que o período de transição no Mali não deve ir para além dos 12 meses, disse o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

Segundo o Presidente da República, a reunião de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países para o Desenvolvimento da África Ocidental (CEDEAO) reiterou ainda que houve, de facto, um “golpe de Estado militar no Mali”.

Jorge Carlos Fonseca fez essas considerações à imprensa no final da cimeira extraordinária, realizada por videoconferência, em que ele também participou a partir da cidade da Praia.

Fonseca adiantou, ainda, que os Chefes de Estado e de Governo subscreveram uma declaração no sentido de um “conjunto de soluções para que o Mali possa retomar os caminhos da ordem constitucional”.

O Presidente da República avançou que, tratando-se de um golpe militar, a CEDEAO condenou-o, reafirmando os princípios que têm a ver com o Estado de Direito, a democracia e o respeito pelas constituições.

“Subscrevemos a ideia de que deve haver uma transição, o mais curto possível, para que o Mali volte à normalidade constitucional”, afirmou, acrescentando que esta mudança deve passar pela “indicação de um Presidente de transição e que deve ser um civil” que reúna algumas características, como o “mérito, conhecimento e consenso”.

De acordo com Jorge Carlos Fonseca, a cimeira decidiu, ainda, que “não haverá nenhuma estrutura militar ou instituição que se sobreponha ao Presidente de transição”.

“Haverá, também, a nomeação de um primeiro-ministro de transição que deverá ser uma personalidade civil”, indicou, acrescentando que deste executivo poderão fazer parte militares para chefiar algumas pastas, nomeadamente a da Defesa e da Administração Interna.

O Governo e o Presidente de transição, prossegue Fonseca, têm como “missão fundamental” para, num período de 12 meses, prepararem as eleições, de modo que estas decorram neste prazo.

“Felicitamos pelo facto de o Presidente Keita ter sido libertado e há pouco minutos tivemos a informação de que o primeiro-ministro, também, foi libertado”, congratulou-se Jorge Carlos Fonseca.

Quanto às sanções económicas e financeiras, os Chefe de Estado e de Governo da CEDEAO mantém estas medidas, havendo, contudo, algumas excepções para permitir a entrada de produtos alimentares, farmacêuticos e petrolíferos, considerados “essenciais para garantir a segurança alimentar e sanitária”.

A CEDEAO já convocou uma cimeira ordinária para o  próximo dia 07 de Setembro, no Níger,  com uma agenda diferente daquela que tem marcado as últimas reuniões extraordinárias sobre o Mali, mas Jorge Carlos Fonseca acredita que a situação neste país da África Ocidental “estará presente”.

Independente desde 1960, o Mali viveu o quarto golpe militar na sua história, depois dos episódios ocorridos em 1968, 1991 e em 2012.

Além da CEDEAO e da União Africana, a acção militar já foi rejeitada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela União Europeia (UE).

LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos