Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Chefe do Estado-Maior enaltece “função fulcral” da Esquadrilha Naval na posse da nova comandante

Mindelo, 01 Set (Inforpress) – O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas destacou hoje a “função fulcral” da Esquadrilha Naval na garantia da soberania do Estado no mar, protecção de riquezas do País, defesa do ambiente e salvaguarda de vidas no mar.

Major-general Anildo Morais discursava, em São Vicente, no acto de posse da nova comandante da Esquadrilha Naval, capitã-de-patrulha Carina Batista, a primeira mulher a assumir o cargo desde a criação da Esquadrilha Naval da Guarda Costeira, em Agosto de 2007, de quem disse esperar “dedicação, saber, sentido de pertença, carácter e liderança”.

Tratando-se, segundo a mesma fonte, de um Comando ainda com “papel fundamental” na luta contra tráficos ilícitos nas águas de Cabo Verde, considerou que tal função, ao dirigir-se à capitã-de-patrulha Carina Batista, deve ser encarada com “honra, responsabilidade, disciplina e espírito de bem servir”.

Num outro ponto da sua comunicação, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas reconheceu que o Comando da Esquadrilha Naval tem vivido “desafios complicados”, principalmente na manutenção dos meios navais, pelo que, sintetizou, “mais do que a aquisição” de meios, se torna necessária a criação de condições para que a manutenção seja “constante e adequada”.

“É preciso termos os meios operacionais para que o pessoal da Esquadrilha Naval esteja preparado e treinador a executar as difíceis tarefas que lhe são incumbidas”, declarou Anildo Morais, para quem é necessário ainda a rentabilização de meios e capacidades, numa “postura de cooperação” com os demais comandos e serviços das Forças Armadas.

Por fim, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas reafirmou a importância da disciplina militar, como “pilar” da instituição castrense e uma condição “sine qua non” para o “desenrolar natural” nas instituições militares.

“Os ganhos já alcançados devem ser mantidos e deve-se ainda procurar atingir novas metas para que a Esquadrilha Naval continue na linha da frente na defesa do País”, sintetizou Anildo Morais.

Por seu lado, a nova comandante da Esquadrilha Naval agradeceu pela “confiança” nela depositada e declarou-se “ciente da responsabilidade e comprometida” em “tudo fazer” com “motivação, humildade espírito de missão” no seu trabalho em prol da esquadrilha, da Guarda Costeira e das Forças Armadas.

A capitã-de-patrulha Carina Batista lembrou na ocasião que, de dois meios operacionais em 1993, quando a Guarda Costeira iniciou actividades, um meio naval e outro aéreo, hoje o Comando dispõe de sete meios navais, um dos quais com capacidade oceânica, e um efectivo de 95 militares, dispositivo de meios que considerou “insuficiente”, tendo em conta a “ampla zona marítima”, mas que reflete “a capacidade financeira nacional no actual contexto”.

É que, lembrou a mesma fonte, o “aumento significativo” do efectivo de navios não foi acompanhado pelo corresponde aumento de recursos financeiros e humanos, “quantitativos e qualitativos”, sem esquecer a “não existência” de um orçamento de manutenção dos meios no orçamento das Forças Armadas, com reflexos na sua sustentação e operacionalidade.

“A capacidade de manutenção dos meios navais tem representado a fragilidade do Comando da Esquadrilha Naval e o estado de operacionalidade dos meios afecta e influencia expressivamente a capacidade de resposta da Guarda Costeira”, declarou a capitã-de-patrula Carina Batista, que, no entanto, pediu que dela se espere “compromisso, determinação e entrega” na procura de soluções, e ponderação nas decisões.

O acto de posse ocorreu no Comando da Guarda Costeira, em São Pedro, São Vicente.

AA/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos