Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cerca de 70% dos alambiques em Cabo Verde operam sem licenciamento industrial – IGAE

 

Cidade da Praia, 13 Out (Inforpress) – Cerca de 70% dos 380 alambiques existentes em Cabo Verde operam ilegalmente e sem licenciamento industrial e 50 unidades de fabrico funcionam fora do período estipulado por lei, revelou o inspector-geral das Actividades Económicas (IGAE).

Em declarações hoje à Inforpress, Elisângelo Monteiro avançou que esses dados constam do processo de selagem de alambiques que decorreu em todo o país de 01 a 28 de Agosto, abrangendo 312 fábricas de produção de aguardente, o que corresponde a 380 alambiques ou unidades de destilação, com maior ênfase nas ilhas de Santo Antão e Santiago.

“Durante a operação, constatamos que cerca de 70 por cento (%) dessas fábricas operam ainda em situação de ilegalidades sem licenciamento industrial, 40 a 50 unidades de produção encontravam-se a funcionar fora do período estipulado por lei e 278.580 litros de calda em fermentação”, acrescentou assegurando que 30 por cento (%) estão dentro da lei e cumprem com os requisitos exigidos.

Elisângelo Monteiro avançou, por outro lado, que neste momento esses produtores laboram com o licenciamento industrial provisório, mas sublinhou que os mesmos devem regularizar a situação para que em 2018 possam iniciar as respetivas actividades em conformidade com a lei.

Segundo o inspector, os alambiques que funcionavam fora do período exigido na lei, foi-lhes aplicado uma coima de 4 a 5 mil contos, sendo que a punição varia em função da quantidade de aguarente produzido.

“Nas análises realizadas, encontramos elevada concentração de chumbo, metanol, mas também algumas substâncias cancerígenas, o que contribui para a má qualidade do produto”, precisou o inspector que reconhece que só a cana não chega para garantir a qualidade da aguardente uma vez que para assegurar essa qualidade são necessários vários outros procedimentos.

Entretanto afirmou que a IGAE vai continuar a fazer encontros com os produtores deste sector no sentido de informa-los sobre a importância e o cumprimento da lei de produção e de comercialização, respeitando regras e boas práticas de produção que garantam a segurança, a qualidade.

Recomendou ainda a necessidade de se evitar o uso de certas substâncias que possam comprometer a qualidade do produto, mas também a saúde.

Segundo Elisângelo Monteiro, durante as sessões de inspecção, os produtores foram orientados também a fazerem correcção na redestilação dos produtos.

AV/FP

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos