Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Centrais sindicais pedem abertura imediata do processo de destituição de Bolsonaro

Brasília, 09 Set (Inforpress) – Quatro das cinco maiores centrais sindicais brasileiras publicaram um comunicado conjunto pedindo a abertura imediata do processo de destituição do Presidente do país, Jair Bolsonaro, após os seus polémicos discursos no 07 de Setembro.

“Foi deplorável a participação do Presidente Jair Bolsonaro nos actos antidemocráticos realizados no dia que deveríamos comemorar o 199.º aniversário da Independência do Brasil. É inquestionável que o objectivo do Presidente e de seus apoiantes é dividir a Nação, empurrar o país para a insegurança, o caos e a anarquia”, diz o documento.

O comunicado, assinado pelos presidentes da Força Sindical, da União Geral dos Trabalhadores (UGT), da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), argumenta que os discursos do chefe de Estado configuram “crime tipificado na Constituição brasileira – crime de responsabilidade -, no qual ele deve ser enquadrado imediatamente, abrindo-se o processo de ‘impeachment'”.

Em causa estão as polémicas ameaças feita por Bolsonaro na terça-feira, Dia da Independência do Brasil, em que a desafiou a justiça brasileira ao afirmar que “não mais cumprirá” decisões do juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e acrescentou que “nunca será preso”.

O chefe de Estado brasileiro ameaçou ainda outros juízes brasileiros, em dois discursos que fez para milhares de apoiantes nas cidades de Brasília e São Paulo, e frisou que aquela manifestação popular representava um ultimato aos três poderes.

“O seu único interesse [de Bolsonaro] é permanecer aferrado ao poder mesmo que isso signifique romper a legalidade democrática, visto que é cada vez mais evidente seu isolamento político e a perda de apoio popular, em suma, seu projecto de reeleição escorre entre os dedos”, sustentaram as centrais sindicais.

Nesse sentido, as centrais apelaram aos “sectores políticos democráticos, sociedade civil, o mundo da ciência e da cultura, os trabalhadores e suas entidades sindicais” que saiam à Avenida Paulista, em São Paulo, no próximo domingo, num ato pela destituição de Bolsonaro.

As centrais sindicais brasileiras juntam-se assim às manifestações que o Movimento Brasil Livre (MBL) realizará no domingo contra Jair Bolsonaro. Apenas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) não participará nos protestos na Avenida Paulista.

Também hoje, várias figuras políticas da oposição criticaram o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, a quem compete abrir um eventual processo de destituição, por não dar andamento ao afastamento do actual chefe de Estado.

“Eu lamento que ele [Lira] não tenha compromisso com a democracia, porque, se tivesse, estaria colocando em pauta o ‘impeachment’ de Jair Bolsonaro. Lamento sinceramente a postura, a atitude e o descompromisso do presidente da Câmara Federal com a democracia brasileira”, afirmou João Doria, governador de São Paulo e aspirante a candidato à Presidência do Brasil em 2022.

Também a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou que Arthur Lira “não pode continuar naturalizando os actos antidemocráticos e os crimes de Bolsonaro contra a Constituição”.

“Esperava do presidente da Câmara uma atitude firme, a Casa não pode ser apequenar desse jeito. Abra o ‘impeachment’, é o que o povo quer”, apelou Gleisi na rede social Twitter.

Já o deputado do PT Paulo Pimenta informou que o seu partido e outras seis formações políticas encontram-se a preparar um novo pedido de destituição contra Bolsonaro, que se juntam aos mais de 120 pedidos já entregues contra o actual mandatário.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos