Centenário Liceu de São Vicente:  PR reconhece necessidade de intensificar reformas no sistema educativo

 

Mindelo, 17 Nov (Inforpress) – O Presidente da República afirmou hoje, no Mindelo, que é preciso ter “clara consciência” da necessidade de “prosseguir e intensificar” as reformas no sistema educativo e, assim, torná-lo cada vez mais “moderno e eficiente”.

Jorge Carlos Fonseca fez esta declaração, na manhã de hoje, ao presidir a cerimónia de abertura do Colóquio intitulado “O liceu em São Vicente, farol do futuro (1917-2017)”, organizado no âmbito das acções comemorativas do Centenário do Liceu Nacional de São Vicente, que se assinala no próximo domingo.

Durante o seu discurso, Jorge Carlos Fonseca lembrou o percurso histórico da criação do liceu de São Vicente e do “legado cultural e cientifico” que a sua existência representa para a nação cabo-verdiana, considerado pelo citado poeta Teixeira de Sousa como “um tempo de saber e o farol do futuro”.

Para o Presidente da República, uma nação educada é composta por um povo próspero, mas consciente dos limites do emprego dos recursos naturais e do legado que pretendem deixar às gerações futuras. Dai desafiar os governantes a continuarem a apostar em políticas de educação pública “de qualidade”.

“Investimentos prioritários devem continuar a ser feitos na educação e as lideranças devem manter-se comprometidas, de verdade, com a causa da educação para todos, um direito fundamental”, afirmou.

O chefe de Estado reforçou ainda que o processo de desenvolvimento do país, “a todos os níveis”, necessita da “poderosa alavanca” que é, no seu dizer, um sistema educativo de “muita qualidade e competitivo,” mas também, aludiu, “exigente e ambicioso” onde o rigor se torna “na plenitude costume”.

Jorge Carlos Fonseca, que agradeceu o convite da comissão organizadora das actividades comemorativas do centenário do liceu Nacional de São Vicente para proferir a comunicação inaugural do Colóquio, considerou que todos têm a obrigação de preservar e capacitar essa herança de uma centena de anos.

“Vencidos os grandes desafios da educação e havendo inclusive hoje muitas universidades em Cabo Verde”, Jorge Carlos Fonseca considerou que a qualidade, a relevância e a adequação da educação aos novos tempos tornam-se num imperativo, face “ao mundo competitivo em que vivemos”.

O Colóquio que se iniciou na manhã de hoje no Centro Cultural do Mindelo estende-se até sábado, 18, com vários painéis de debate à volta do legado histórico do Liceu. O encerramento está a cargo da ministra da educação Maritza Rozabal com uma conferência magistral.

O programa comemorativo integra ainda ao longo destes dias sarau cultural, baile de gala e um festival gimno-desportivo, a realizar-se domingo, 19, no estádio Adérito Sena.

O liceu Nacional de São Vicente iniciou as suas actividades a 19 de Novembro de 1917 na residência do senador Vera-Cruz, com o nome  Liceu Nacional de Cabo Verde e, mais tarde, Infante D. Henrique, até 1937, ano em que foi encerrado.

Perante as reclamações das forças vivas da ilha, o liceu reabriu logo a seguir com o nome Gil Eanes, que, por sua vez, viria a dar lugar ao actual Liceu Ludjero Lima.

EC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos