“Cenário do ano agrícola em Cabo Verde é melhor do que nos anos anteriores” – ministro

Cidade da Praia, 17 Fev (Inforpress) – O ministro da Agricultura e Ambiente afirmou hoje que o ano agrícola 2020em Cabo Verde “está longe de ser considerado óptimo”, mas que o cenário “é melhor” do registado nos três anos consecutivos de seca.

Gilberto Silva fez estas afirmações à imprensa, após efectuar uma visita ao Centro da Hidroponia, na Cidade da Praia, para constatar o processo e o espaço de produção de morangos, importados para “modernizar e estimular” o desenvolvimento da fruticultura em Cabo Verde.

Questionado sobre o balanço do ano agrícola em Cabo Verde, disse que comparativamente aos três anos anteriores, em que o País foi afectado pela seca e por um mau ano agrícola, lembrando que o ano agrícola não se baseia só em função da produção do milho.

“O ano agrícola não se baseia só em função da produção de milho, tivemos a produção em vários sítios, não tivemos aquela produção que gostaríamos de ter”, concretizou, apontando a produção de pastos em vários ilhas do País, bem como a recarga dos lençóis freáticos.

“Não no nível que gostaríamos de ter, não estamos nem de longe, nem de perto, num ano agrícola óptimo em termos de resultados de produção”, apontou.

Entretanto, realçou que o arquipélago precisa de “vários bons anos para poder recuperar a reserva da água subterrânea”, revelando, por outro lado, que a ilha da Boa Vista, por ser “a mais árida do País”, precisa de “uma atenção especial” no que se refere a sua capacidade de produção de pasto.

Informou, neste sentido, que o Governo vai aprovar a continuação da subvenção para a compra de ração para os criadores de gado da Boa Vista porque as chuvas de 2020 “não foram suficientes” para garantir a capacidade de produção de pasto dos anos anteriores

Salientou, por outro lado, que o Governo tem “apostado fortemente” na criação de condições e adopção de um conjunto de medidas para que o País possa estar melhor preparado para fazer face aos efeitos da seca.

“Já iniciamos o processo da dessalinização das águas salobras, vamos massificar esta experiência no País, já arrancamos todo o processo da reutilização das águas residuais tratadas, já temos um projecto-piloto que nos permite produzir uma água de qualidade, agora é a massificação pela via de investimentos”, referiu.

Destacou ainda a aposta na melhoria da gestão da água, subvenção dos sistemas gota a gota, acções de formação e apostas na implementação de projectos hidroagrícolas que garantam uma melhor distribuição de água nas bacias hidrográficas.  

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos