Celebrar o Natal é motivo de reafirmar a esperança e de reconciliação com Deus e com os outros – cardeal

Cidade da Praia, 24 Dez (Inforpress) – O cardeal Dom Arlindo disse hoje que celebrar o Natal é motivo de reafirmar a esperança de reconciliação, de paz, de prestar serviços aos outros, manifestar carinho e atenção e de seguir os passos de Jesus.

Em declarações à Inforpress, o bispo da Diocese de Santiago afirmou que o Natal é a festa do encontro com Jesus, motivo de alegria de todas as celebrações que se fazem em privado, em particular, e que essa celebração deve ser adequada à sua fundamentação, que é um “encontro alegre, simples e humilde”.

Por outro lado, disse que é sempre ocasião de reconciliação de paz, de prestar serviços aos outros, de manifestação de carinho e atenção e de evitar tudo o que possa prejudicar os outros e a si próprio.

“Estamos há dois anos a lidar com a covid-19, que é uma experiência singular e universal, isso nos mostra um pouco a fragilidade humana, as nossas limitações, mas também ao mesmo tempo que celebramos o Natal temos motivos para lembrar que estamos entregues apenas a nós mesmos, que temos a capacidade de cuidar de nós tanto quanto possível e de cuidar dos outros, mas o grande cuidador é Deus, que veio ter connosco”, apontou.

Segundo disse, no meio de tudo isso, Jesus é a esperança de todos e será certamente a salvação e com ele, “de mãos dadas, juntos avançar na paz, solidariedade, alegria e fraternidade”.

“Celebrar o Natal é motivo de reafirmação da nossa esperança, de reerguermos de novo e enfrentarmos o monstro, seja ele qual for, inclusive as nossas próprias limitações e seguir os passos de Jesus, sabendo que Deus nos levará a conseguir a vitória final, que é superação de todos os limites, para vivermos plenamente com Ele”, sublinhou.

“Jesus está no meio de nós, tornou-se Emanuel há dois mil anos, de uma forma especial na pessoa do verbo encarnado”, referiu.

Dom Arlindo apelou ainda a todos os cabo-verdianos a continuarem a seguir as medidas preventivas recomendadas pelas autoridades sanitárias, nomeadamente o uso de máscaras, de álcool em gel e com distanciamento social.

“É preciso ter em conta que o vírus ainda não acabou, como já foi dito, o vírus esta no meio de nós e devemos cuidar um dos outros, combatendo o vírus”, constatou.

Tendo em conta que o país tem registado nos últimos dias uma tendência crescente de casos de covid-19, considerou que este ano não é necessário viver o Natal como foi celebrado em 2020, sublinhando que a igreja em Cabo Verde nunca foi motivo de contaminação comunitária e certamente não o será.

AV /JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos