Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

CEDEAO realiza cimeira extraordinária para debater golpe de Estado na Guiné-Conacri

Abuja, 08 Set (Inforpress) – A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) realiza hoje uma cimeira virtual para abordar a situação na Guiné-Conacri, palco de um golpe de Estado que afastou o Presidente Alpha Condé.

As forças especiais guineenses lideradas pelo tenente-coronel Mamady Doumbouya anunciaram no domingo que tinham capturado o chefe de Estado, visando pôr fim à “má gestão financeira, à pobreza e à corrupção endémica” e “à instrumentalização da justiça (e) ao atropelo dos direitos dos cidadãos”.

Os militares dissolveram o governo e as instituições e aboliram a constituição que o Condé tinha adoptado em 2020, de modo a assegurar uma recandidatura um terceiro mandato, numas eleições que acabou por ganhar.

Após o golpe de estado e prisão do Presidente, os militares introduziram um recolher obrigatório e fecharam as fronteiras terrestres.

A CEDEAO condenou o golpe de Estado na Guiné no domingo e apelou à “libertação imediata e incondicional do Presidente Condé”.

A organização que junta 15 países da África Ocidental – entre os quais Cabo Verde e Guiné-Bissau – irá realizar uma cimeira virtual extraordinária para discutir a situação na Guiné, uma crise que tem levado a uma condenação internacional generalizada, desde o secretário-geral da ONU, António Guterres, à União Africana e União Europeia.

Durante meses, o país, que se encontra entre os mais pobres do mundo apesar dos consideráveis recursos minerais e hídricos, tem estado em profunda crise política e económica, agravada pela pandemia de Covid-19.

Condé, um antigo opositor do regime de partido único, tornou-se no primeiro presidente democraticamente eleito da Guiné em 2010, após décadas de regime autoritário.

Nos últimos anos, vários activistas dos direitos humanos criticaram a sua deriva autoritária, o que minou os ganhos dos primeiros tempos.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos