CEDEAO ameaça aplicar sanções aos políticos guineenses que não cumprirem acordo

 

Bissau, 25 Abr (Inforpress) – A Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) admitiu hoje aplicar sanções internacionais aos políticos da Guiné-Bissau que coloquem entraves à “implementação harmoniosa” do acordo para acabar com o impasse político no país.

A posição foi hoje transmitida em Bissau por Nabi Bangoura, ministro de Estado e secretário-geral da presidência da Guiné-Conacri, no final da missão de avaliação que a organização enviou a Bissau.

A missão ministerial, que chegou no domingo à capital guineense, foi a Bissau avaliar a aplicação do Acordo de Conacri, instrumento patrocinado pela CEDEAO e assinado em Outubro por diferentes atores políticos guineenses, para acabar com a crise no país.

Após as consultas com líderes políticos, sociedade civil e confissões religiosas guineenses, a missão concluiu que o Acordo de Conacri não foi cumprido na sua totalidade.

Nabi Bangoura, que leu um comunicado final da missão da CEDEAO, disse que será recomendado aos chefes de Estado e de Governo que a organização sub-regional aplique “sanções adequadas” a todos os que colocarem entraves à “implementação harmoniosa” do referido acordo.

Segundo o emissário da CEDEAO, os atores políticos guineenses têm assim 30 dias, a partir de hoje, para aplicarem as directrizes do Acordo de Conacri, que no essencial prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento.

Quatro dos cinco partidos com assento parlamentar não reconhecem o actual Governo, referindo ser de iniciativa do Presidente guineense, José Mário Vaz, a quem exigem que demita Umaro Sissoco Embaló do cargo de primeiro-ministro.

A missão da CEDEAO também exortou os dirigentes e os políticos guineenses a cessarem as declarações incendiárias e o incitamento à clivagem identitária entre os cidadãos, sem citar a quem se referia.

Recentemente, o primeiro-ministro, Umaro Embaló, afirmou que está a ser contestado por ser muçulmano.

A missão exortou também as autoridades a cessarem com as agressões contra os cidadãos que se manifestarem de forma pacífica contra a situação política no país.

A organização da África Ocidental referiu ter indicado às autoridades guineenses que a “força de interposição” estacionada em Bissau na sequência do golpe de Estado de Abril de 2012 poderá ser retirada entre 28 de Abril e 30 de Junho deste ano.

A missão liderada pela chefe da diplomacia da Libéria, Marjon Kamará, vai agora informar o Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, mediador da crise guineense proposto pela CEDEAO, sobre a situação da Guiné-Bissau.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos