CCSL propõe reunião urgente do Conselho da Concertação Social e reposição do poder de compra

Cidade da Praia, 01 Mai (Inforpress) – A CCSL propôs hoje ao Governo uma reunião urgente do Conselho de Concertação Social para criação dos mecanismos de apoio aos trabalhadores e a reposição do poder de compra face ao aumento dos preços  dos bens essenciais.

A proposta foi feita pelo presidente da Confederação  Cabo-verdiana dos Sindicatos Livres (CCSL), José Manuel Vaz, em conferência de imprensa, alusiva ao 1º de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores, que se assinala hoje, tendo afirmado que os trabalhadores cabo-verdianos comemoram o 1 de Maio deste ano sob signo de “muitas dificuldades incertezas”, e preocupações motivados fundamentalmente pela pandemia da covid-19 e agora com a invasão da Rússia a Ucrânia.

Segundo o sindicalista, de 2007 a 2022 os trabalhadores cabo-verdianos perderam cerca de 26% do seu poder de compra.

A suspensão unilateralmente desde 2008 das promoções, progressões e reclassificações e subsídio por não redução da carga horária dos professores cabo-verdianos, apontou, vem agravando ainda mais “a situação complicada” porque passam os funcionários da administração pública, dos institutos públicos e das empresas públicas e privadas.

“Os sucessivos aumentos de preços dos bens da primeira necessidade e outros e sem o correspondente reajuste salarial dos trabalhadores, a vida dos mesmos e das famílias cabo-verdianas esta se deteriorando a cada dia”, afirmou.

Diante desses cenários “poucos abonatórios”, a CCSL, segundo este responsável, e os sindicatos filiados consideram o momento exigente e de muita responsabilidade, o dialogo e as negociações entre os parceiros sociais, Governo empregadores e representantes sindicais.

Propõe neste sentido às partes a se sentarem a mesa para juntos encontrarmos as alternativas “viáveis e duradouras” que possam minimizar os “efeitos negativos que ensombram e prejudicam” as relações laborais em Cabo Verde.

” A CCSL propõe ao Governo a convocação urgente do conselho da concertação social visando a busca negociada para a criação de mecanismos legais de apoio aos trabalhadores do sector informal da economia visando a formalização das suas actividades profissionais que possam permitir-lhes inscrição no INPS e sejam garantidos igualdade de circunstâncias com os demais trabalhadores do sector informal”, sugeriu.

Pediu ainda que seja feita a regularização e enquadramento das restantes 20% a 30% na carreira das situações pendentes dos profissionais das diversas áreas e a reposição do poder de compra dos trabalhadores face a escalada de aumento dos preços dos bens essenciais.

O presidente da CCSL propôs igualmente que seja feita a avaliação e o reconhecimento curricular e experiência profissional acumulada dos trabalhadores das diferentes áreas, visando a promoção da justiça social dos mesmos, à semelhança dos demais funcionários.

A CCSL propõe ainda a criação de linhas de financiamento para a formação e capacitação profissional dos trabalhadores cabo-verdianos dos diversos sectores de actividade económica do País.

 Ainda na linha de propostas apresentadas hoje, José Manuel Vaz sugeriu ao Governo que quando  as comemorações do 1 de Maio coincidem com um domingo que é comemorado um por pouco por todo o País, para que seja considerado o dia 02 de Maio feriado, situação que deve ser igual quando os feriados nacionais, nomeadamente 13 de Janeiro, 20 de Janeiro, 05 de Julho, 15 de Agosto, 25 de Dezembro e 31 de Dezembro ocorrem nos finais de semana.

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos