Caso isenção de vistos: Presidente Jorge Carlos Fonseca lembra que “em política não há almoços grátis”

 

Cidade da Praia, 19 Abr (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, disse terça-feira, presumir que a medida de isenção de vistos aos turistas europeus, anunciada pelo Governo, se enquadra numa “visão estratégica” de um relacionamento com a União Europeia (UE).

Questionado se considera a medida acertada, o Chefe de Estado, que falava aos jornalistas à margem do lançamento do livro “Cabo Verde: o despertar de Darwin”, disse que as decisões podem ser tomadas de forma unilateral, mas sublinhou que, normalmente, dizem que “em política não há almoços grátis”.

“Uma medida de isenção de vistos supõe que se tenha pensado no impacto económico, social e político e tenho de presumir e presumo que ela é integrada numa visão estratégica para o país. Quando nos relacionamos com os outros, podemos tomar medidas unilaterais, mas, normalmente, costuma-se dizer que em política não há almoços grátis”, disse.

“Pode-se não esperar (receber) de imediato, pode não interessar, na comunicação de uma visão, avançar os dados todos”, acrescentou Jorge Carlos Fonseca.

Sobre a polémica gerada à volta do assunto e a associação do seu “post” na rede social Facebook a esta celeuma que envolve o ex e o actual primeiro-ministro, José Maria Neves e Ulisses Correia e Silva, o Presidente da República disse que referiu à importância da comunicação das medidas no geral.

“Eu referi a duas coisas: que qualquer medida que se tome na política e fora da política, se não houver uma boa comunicação, ela pode surgir como uma coisa inadequada, inapropriada ou até sem sentido, e a mesma notícia bem preparada, através de uma boa comunicação, cuidada, pode parecer uma coisa aceitável, razoável, ou boa, e depois fiz o contraponto. As reacções podem ser fortes, entusiásticas, e ser acolhidas por toda a gente, mas depois, reflectindo com mais dados, pode ser uma coisa precipitada”, explicou.

Jorge Carlos Fonseca sugeriu que as actividades da governação, da oposição e da sociedade civil, se façam sempre com uma comunicação “clara e incisiva, fundamentada e trabalhada” para permitir que os cidadãos façam uma boa avaliação.

O anúncio da isenção de vistos aos turistas da União Europeia e do Reino Unido foi feito por Ulisses Correia e Silva, na semana passada, à saída de uma audiência com o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.

O assunto suscitou reacções, tendo ex-primeiro-ministro José Maria Neves, num “post” no Facebook classificado a medida como “absurda e prejudicial” à posição negocial de Cabo Verde com a UE, acrescentando que a mesma não deveria ser unilateral, mas ter contrapartidas para o país.

Na resposta, o Governo afirmou que “absurdo é não compreender o alcance da medida” e assegurou que haverá ganhos.

MJB/CP
Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos