Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Caso Hamylton Morais: julgamento adiado para Dezembro

Cidade da Praia, 08 Out (Inforpress) – O Tribunal da Praia agendou para Dezembro o arranque do julgamento do caso da morte do agente policial Hamylton Morais, baleado no bairro de Tira Chapéu, cidade da Praia, no dia 29 de Outubro do ano passado.

A informação é avançada à Inforpress por uma fonte judicial, completando ainda que o julgamento, que deveria arrancar hoje, foi remarcado para acontecer entre os dias 01 a 03 de Dezembro.

“O Advogado de defesa, José Henrique Freire de Andrade, não foi notificado da data que designa o dia do julgamento, pelo que o Juiz achou por bem adiar o referido julgamento para os dias 01, 02 e 03 de Dezembro”, disse a fonte.

Neste caso, as acusações da prática, em autoria material, de um crime de homicídio simples e mais outro de disparo, recaem sobre um agente da Polícia Nacional, de 38 ano, que desde Novembro último está em prisão preventiva.

Em Abril deste ano, o Ministério Público comunicou a acusação de mais um indivíduo, de 19 anos, no caso.

O caso remonta a 29 de Outubro de 2019, uma terça-feira, quando, por volta das 00:15, o Serviço de Piquete foi chamado, através do Centro de Comando, para intervir junto de dois indivíduos que se encontravam armados e em situação “muito suspeita” na zona de Tira Chapéu, na cidade da Praia.

No local, ao se aperceberem da presença policial, os suspeitos puseram-se em fuga e, imediatamente, foram perseguidos, resultando dali disparo de armas de fogo, que terá atingido o agente de primeira classe Hamilton Morais, que foi socorrido imediatamente pelos colegas e transportado para o Hospital Agostinho Neto, onde viria a falecer, momentos depois, referiu na altura a PN em comunicado.

Chegou a ser capturado um indivíduo suspeito, mas este veio a ser liberado pela Polícia Judiciária, por não haver provas que este seria o autor do crime.

O agente Hamylton era, segundo a PN, um profissional “exemplar, dedicado e muito querido” pelos seus colegas e amigos.
Estava na corporação havia 16 anos, tendo trabalhado na ilha da Brava e na Praia.

A Polícia Nacional lamentou profundamente a perda deste colega e “excelente profissional”, que foi o agente Hamylton Morais e endereçou à família enlutada as mais sentidas condolências.

O ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, reagiu a este caso com muita “consternação e preocupação”.

GSF/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos