Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Caso Alex Saab: “Aquilo que o tribunal decidir é aquilo que é caso julgado sobre o assunto” – ministra da Justiça (c/áudio)

Cidade da Praia, 22 Jul (Inforpress) – A ministra da Justiça e do Trabalho, Janine Lélis, afirmou hoje que, apesar de o Governo ter dado um parecer favorável sobre a extracção do colombiano Alex Saab, a decisão final caberá aos tribunais.

“Eu não conheço o detalhe da tramitação do processo judicial. Como sabem, o processo está a correr os seus trâmites no Tribunal de Relação Sotavento. Estamos num Estado de direito e o que se quer é que o tribunal decida em função das provas que tem do processo e em função do que deve ser. É esta confiança que nós temos”, disse.

Janine Lélis, que falava aos jornalistas na sequência da abertura dos serviços de Registos Notariado e Identificação na Ribeira Grande de Santiago, explicou que Cabo Verde respondeu a um pedido de cooperação, dando um parecer favorável à extradição, mas salientou que agora a decisão é do tribunal.

“Cabo Verde tem um dever de cooperar, e esse dever de cooperação é mais forte em tratando-se de matérias de crimes relacionados com tráfico de droga e com lavagem de capital. Nós respondermos a um pedido de colaboração internacional e a partir daí o processo segue a sua tramitação judicial”, disse.

Conforme acrescentou, o Governo foi chamado a falar num processo administrativo, anterior ao processo judicial, tendo o seu pronunciamento sido feito com base num parecer do Ministério público.

“Basicamente, o Ministério Público informa o Governo se as condições exigidas pela constituição, se os requisitos estão a ser observados, e com base nisso o Governo emite um parecer”, acrescentou.

“Nós respondemos a um pedido de cooperação, mas estamos num estado de direito e Cabo Verde é conhecido e reconhecido pelo funcionamento da democracia e pela independente dos tribunais. Aquilo que o tribunal decidir é aquilo que é caso julgado sobre o assunto”, sublinhou, adiantando que o Governo não intromete e não pronuncia sobre casos que estão na alçada dos tribunais.

Detido na noite de 12 de Junho, na ilha do Sal, pelas autoridades policiais cabo-verdianas, a pedido da Interpol, com base num mandado de captura internacional, Alex Saab Morán é acusado pelos Estados Unidos da América (EUA) de negócios corruptos com o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O empresário sul-americano, considerado testa de ferro do presidente venezuelano, foi detido durante uma escala técnica na ilha do Sal, num voo de regresso alegadamente do Irão e encontra-se na cadeia de Terra Boa, na ilha do Sal.

A Justiça cabo-verdiana rejeitou dois pedidos de ‘habeas corpus’ interposto pela defesa que alega a imunidade de Alex Saab, enquanto portador de passaporte diplomático.

Os EUA pediram formalmente às autoridades cabo-verdianas a extradição de Alex Saab, descrito como testa-de-ferro do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse à Lusa, em 02 de Julho, fonte do Governo de Cabo Verde.

O pedido formal de extradição foi feito através da Procuradoria-Geral da República (PGR) de Cabo Verde, dentro dos 18 dias previstos na lei, e o processo envolverá ainda um pedido de autorização ao Ministério da Justiça.

Segundo um comunicado emitido no dia 20 de Junho, pela Procuradoria-geral da República, o processo de extradição do colombiano Alex Saab Morán comporta uma fase administrativa e uma outra judicial, que se inicia após a decisão favorável do pedido de extradição, pela ministra da Justiça.

MJB/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos