Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Carnaval/São Nicolau: Grupos carnavalescos já tinham descartado qualquer hipótese de desfilar este ano

Cidade da Praia, 11 Jan (Inforpress) –  Os responsáveis dos grupos carnavalescos da ilha de São Nicolau admitiram hoje que independentemente do anúncio do Governo feito ao País, a cancelar actividades do Carnaval este ano, já tinham descartado qualquer possibilidade de realizar os tradicionais desfiles.

Em declarações à Inforpress, os responsáveis dos grupos de Carnaval da ilha adiantaram que se reuniram com a autarquia, no passado mês de Dezembro, para avaliar a possibilidade de realizar desfiles e todos concordaram que mesmo com permissão do Governo não seria possível.

“Porque São Nicolau já é uma ilha difícil por si só, organizar um Carnaval em dois meses seria extremamente difícil, uma vez que já temos dois anos com grupos inactivos, devido a pandemia da covid-19, e sendo uma festividade que depende muito da emigração, sabíamos que não teríamos a presença forte dos nossos emigrantes no nosso Carnaval”, explicou o presidente do grupo carnavalesco Estrela Azul.

Alíbio Brito disse que agora é começar a trabalhar “afincadamente” desde logo, acompanhar a evolução da pandemia e ver o que vai ser em 2023, tendo sublinhado que mais esse ano sem Carnaval é complicado para Ribeira Brava, por ser um município “pacato”, que precisa de certa forma desta movimentação económica.

“Temos pessoas que na época de Carnaval conseguem fazer alguma receita que os ajuda durante todo o ano. Por isso é difícil. vamos ter seriamente alguma dificuldade”, ajuntou.

Para Alíbio Brito, se o Governo, a câmara municipal e os grupos carnavalescos não se reunirem para começar a trabalhar a partir de agora, vai ser difícil, mesmo com a situação de pandemia “estável”, retomar o Carnaval em 2023, dado a falta de recursos na ilha.

Por sua vez, o presidente do grupo Copa Cabana, Emanuel Cabral, disse também que todos os grupos já previam o ano 2022 sem Carnaval, devido a situação pandémica “instável”, ou seja, “ora a evolução é descendente, ora ascendente”, como assinalou.

Conforme a mesma fonte, a pretensão era fazer “alguma animação”, no entanto devido ao aumento dos casos positivos e com as medidas tomadas pelo Governo não será possível.

“Carnaval contribui para promoção de eventos, dinamização da economia da ilha e então ficamos penalizados, mas temos consciência da nossa realidade actual”, disse, esperando que para o ano o contexto seja propício para a retomada dos desfiles.

Segundo Emanuel Cabral, o grupo Copa Cabana comemora no próximo ano 80 anos de existência, pelo que, ressaltou, será “um Carnaval especial” para o grupo, que brevemente inicia a planificação, pois as expectativas serão “enormes”, não só para o grupo, mas, principalmente, para a comunidade emigrada.

Apelou também à união entre Governo, a câmara municipal e os grupos, para facilitar a preparação de um “bom Carnaval para ano”.

A presidente do grupo Brilho da Zona, Maria Rosa Ramalho, por seu lado, reafirmou que já tinha decidido que mesmo que a pandemia e o Governo permitissem, os grupos não estariam disponíveis para realizar o Carnaval de São Nicolau 2022.

“Olhamos primeiro para a saúde, porque Carnaval cogita muita aglomeração de pessoas, ficamos tristes sim, mas não teríamos condições de fazer Carnaval esse ano, mas a decisão do Governo é a mais correcta, esperamos que em 2023 o cenário seja outro propiciando assim um bom Carnaval”, sublinhou Ramalho.

Para o ano 2023, frisou, Brilho da Zona pretende começar a trabalhar como os outros grupos de agora visando realizar os tradicionais desfiles e exortou o Governo e o poder local a estarem “mais próximos” da classe daqueles que fazem o Carnaval.

TC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos