Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Carlos Reis perspectiva entrada em funcionamento do Sistema de Vigilância no início do último trimestre deste ano

Mindelo, 13 Fev (Inforpress) – O conselheiro da Segurança Nacional e coordenador do projecto Cidade Segura, Carlos Reis, disse hoje que o sistema de video-vigilância em São Vicente deverá entrar em funcionamento no início do último trimestre deste ano.

Carlos Reis falava à imprensa à margem da conferência “Protecção de dados: regime jurídico tratamento de dados no contexto laboral e video-vigilância no espaço público”, realizada no auditório da Universidade do Mindelo, pela Comissão Nacional de Protecção de Dados.

Segundo este responsável, a prespectiva é que os trabalhos de montagem da fibra óptica e das antenas nos locais, que vão estar sob o sistema de video-vigilância, sejam concluídos entre Setembro e Outubro, para, no início do último trimestre deste ano, ter o sistema em funcionamento.

A mesma fonte afirmou que não haverá mudanças no projecto e que a ilha de São Vicente vai receber nesta fase cerca de 300 câmaras, tal como indicaram os estudos prévios.

Carlos Reis destacou, por outro lado, que estão a fazer obras em simultâneo em São Vicente, no Sal e na Boa Vista e brevemente vai-se começar a extensão do projecto Cidade Segura na Praia.

Conforme a mesma fonte, o projecto prevê a fixação do sistema de video-vigilância no espaço público, mas não está no seu escopo estendê-lo a espaços privados. Isto porque, sustentou, o objectivo é a segurança colectiva, a segurança urbana e a prevenção da criminalidade no espaço urbano.

O coordenador do projecto Cidade Segura também era um dos oradores no painel sobre o sistema de video-vigilância a ser instalado em São Vicente. Disse que a sua abordagem iria centrar-se primeiramente em mostrar o sistema como um espaço de convivência entre dois direitos fundamentais.

Ou seja, elucidou, o direito fundamental à intimidade da vida privada e da privacidade de cada indivíduo e o direito à segurança colectiva que no fundo justifica ter o sistema de video-vigilância no espaço público.

CD/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos