Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Campanha do projecto Tartaruga Boa Vista de 2021 supera recordes anteriores com 156.631 ninhos de desovas de tartarugas

Sal Rei, 03 Dez (Inforpress) – Números do Projecto Tartaruga Boa Vista (PTBV) indicam que a campanha deste ano, que decorreu de Maio a Novembro, registou 156.299 ninhos nas praias da ilha, safra que supera recorde das temporadas anteriores.

Estes dados foram avançados à Inforpress pelo Projecto Tartaruga Boa Vista, financiado pela Fundação MAVA e é implementado por várias organizações de conservação das tartarugas marinhas na ilha da Boa Vista.

A coordenadora científica do PTBV, Leila Almeida, destacou o valor da temporada para demonstrar o trabalho feito na conservação de tartarugas marinhas, ao mesmo que sublinhou os resultados alcançados na capacitação e estudos científicos a nível nacional, com apoio de investigadores internacionais para conhecer melhor a espécie.

“Em relação ao ano passado, estamos com um aumento de registo de cerca de 30 mil ninhos, comparativamente ao ano passado, em que houve 125 mil ninhos em toda a ilha da Boa Vista”, disse, referindo que este ano “superou os recordes” de registos em anteriores temporadas.

Isto porque, segundo os dados de 2021, a ilha da Boa Vista registou 156.299 ninhos de desovas de tartarugas, 2.893 viveiros de ninhos, 21.169 fêmeas monitorizadas, 53 apanhas, e 846 tartarugas resgatadas.

A coordenadora científica sublinhou que os aumentos destes registos se verificam a nível do arquipélago, mas com maiores números na ilha da Boa Vista.

Quanto a este aumento, Leila Almeida, que é bióloga, explicou que não conseguem dar um esclarecimento concreto, uma vez que, conforme justificou, a tartaruga marinha careta-careta é uma espécie migratória que não depende somente do trabalho de campanha e conservação de seis meses.

Entretanto, enalteceu que se poderá estar perante resultados do trabalho de conservação e proteção feito na ilha há 23 anos a espécie marinha que demora entre 20 a 25 anos para desovar, assim como a existência de zonas ricas em nutrientes para alimento da espécie, poderão estar na origem da grande saída e desova de tartarugas.

A bióloga fundamentou ainda que factores antropológicos relacionados, por exemplo, com habitat, como poluição sonora, marinha e luminosa, e alterações climáticas poderão causar problemas futuros na conservação da tartaruga marinha, por ser um réptil que depende muito da temperatura para definir a sua população.

Maior número de grupos a trabalhar em conjunto no Projecto Tartaruga Boa Vista, inicialmente criado para a ilha da Boa Vista e que está a ganhar um carácter nacional é facto que, indicou a bióloga, trouxe à baila a necessidade de homogeneização da metodologia de trabalho científico.

Por isso, contou que há necessidade de trabalhar de forma igual, com mesmos métodos científicos que têm vindo a ser analisados em formação e capacitação.

“Agora estamos a passar a um outro nível, que é nacional, porque a tartaruga não é só da Boa Vista, é de todo o Cabo Verde, e é necessário cada vez mais unir esforços para trabalhar em conjunto”, pontuou.

A coordenadora científica reforçou a importância de Cabo Verde para a conservação da tartaruga marinha, não somente para a população careta-careta, mas também devido ao aumento de nidificação de outras espécies deste animal marinho, realçando este como um valor na biodiversidade no país.

VD/JMMV
Inforpress

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos