Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Câmara da Praia promove “mega campanha” de limpeza nos bairros para prevenir doenças na época das chuvas

 

Cidade da Praia, 05 Ago (Inforpress) – A Câmara Municipal da Praia realiza hoje uma “mega campanha” de limpeza, nos diferentes bairros para prevenir doenças passíveis de propagação na época das chuvas, com destaque para a dengue, paludismo e zika.

Ponta Belém, Várzea (Taiti, Madjana, Santa Rosa e Quartel Escola), Eugénio Lima, Vila Nova, Castelão, Coqueiro, Tira Chapéu, Bela Vista, Fonton e Brasil são os bairros a serem contemplados.

Em conferência de imprensa, no início da semana, o vereador do Saneamento, António Lopes da Silva, disse que a campanha vai incidir a nível de limpeza de pardieiros em situação mais crítica em termos de propagação de mosquitos.

“Temos estado com equipas de limpeza, todos os finais de semana, para a limpeza de casebres e pardieiros, o que é um trabalho muito caro, porque a limpeza de cada um custa cerca de 45 contos”, informou o vereador.

Por isso, António Lopes da Silva apelou aos praienses a terem uma consciência mais cívica, no sentido de não sujar, porque, defendeu, “uma cidade limpa é aquela que suja menos”.

Por sua vez, a delegada de saúde da Praia, Ullardina Furtado, fez saber que a campanha abrange não só as zonas de risco de paludismo, mas também todas as outras da capital do país.

“Esta campanha é o culminar de um trabalho que tem sido feito desde o mês de Junho para a prevenção contra doenças transmitidas pelo mosquito”, frisou a responsável.

Segundo Ullardina Furtado, a Cidade da Praia está a viver uma situação que não era esperada, porque conta com 43 casos de paludismos antes do período de chuvas.

Informou, a este propósito, que na semana passada houve um retrocesso de casos, mas que a situação é de “alerta máxima”, porque com as chuvas os casos tendem a aumentar.

Dados mais recentes apontam que até finais de Julho foram  registados 53 casos de paludismo na cidade capital, sendo 49 autóctones.

A iniciativa conta com a colaboração de organizações da sociedade civil, Polícia Nacional, Forças Armadas e instituições que trabalham com segurança urbana.

OM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos