Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Calheta já dispõe de Centro de Cuidados e Convivência para crianças com paralisia cerebral – Acarinhar

Cidade da Praia, 24 Dez ((Inforpress) – A cidade de Calheta, em São Miguel, interior de Santiago, já dispõe de um Centro de Cuidados e Convivência para dar respostas às necessidades das crianças com paralisia cerebral, revelou hoje a presidente da Acarinhar.

Em declarações à Inforpress, a presidente da Associação das Famílias e Amigos das Crianças com Paralisia Cerebral (Acarinhar), Teresa Mascarenhas, explicou que o centro denominado “Cantinho da Daiane”, é iniciativa da instituição que dirige, em parceria com a Câmara Municipal de São Miguel.

“O centro terá como objectivo incluir as crianças em idades pré-escolar nos jardins infantis, e ao mesmo tempo terá uma sala com equipamentos de reabilitação e equipas multidisciplinares e especializadas na área para dar respostas a essas necessidades das crianças com paralisia cerebral”, avançou.

Segundo disse, a estrutura irá beneficiar a população desta localidade e dos arredores, caso houver necessidades nesta área, onde a acarinhar irá colaborar na capacitação das monitoras e orientar os trabalhas dos técnicos junto das famílias.

“A essência do centro surgiu depois de constactar que a criança Daiane com paralisia cerebral dirigia à associação duas vezes por semana à procura de cuidados e acompanhamento específicos, mas este percurso era muito desgastante e cansativo e, a partir daí, resolvemos procurar qual seria a melhor alternativa para ter uma resposta local”, explicou.

Teresa Mascarenhas revelou que a câmara local mostrou-se disponível e total abertura para colaborar com a Acarinhar, com o intuito de abrir esse espaço.

“A autarquia fez todo o trabalho de preparação e logística da sala, contactou técnicos para trabalhar com essas crianças, numa parceria que envolveu outras instituições como Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA), Polícia local, delegação escolar, ministério da saúde”, referiu.

Afirmou que trata-se de um projecto piloto, que segundo a mesma, deverá ser replicada a nível de todo o País.

No seu entender, o espaço vai dar respostas às crianças com necessidades especiais no município de São Miguel, permitindo as mesmas ter duas valências, nomeadamente estar juntas e participar nas actividades com outras crianças, ciente de que têm as suas necessidades específicas que precisam de respostas e equipamentos específicos e técnicos capacitados na própria área.

AV/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos