Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cadastro Social Único aponta existência de 35,25% de agregados familiares “mais desfavorecidos” em Cabo Verde

Cidade da Praia, 10 Dez (Inforpress) – Os dados do Cadastro Social Único revelados hoje em Ribeira Grande de Santiago apontaram para a existência de 35,25 por cento (%), correspondendo a 14.177 agregados familiares com mais necessidades em Cabo Verde.

Os números foram divulgados aos jornalistas, à margem do II Encontro Nacional dos Coordenadores do Cadastro Social Único (CSU), que decorre até esta quarta-feira, 11, na Cidade Velha, promovido pelo Ministério da Família e Inclusão Social.

Segundo explicou a directora-geral da Inclusão Social, Mónica Furtado, com base nos dados estatísticos nacionais se fez a análise das variáveis que mais contribuem para a pobreza ou o bem-estar das pessoas e, com base nisso, foram feitos um cálculo e a classificação dos agregados por grupo, de um a quatro, sendo do mais a menos desfavorecido.

Sendo assim, o grupo dois corresponde a 24,78% dos agregados, seguido do três com 22,20% e do quatro com 17,77%.

Até o momento, informou, já estão registados mais de 40 mil agregados familiares e mais de 152 mil pessoas no Cadastro Social Único.

Desses agregados familiares, 52,69% residem no mundo rural e 47,31% nos centros urbanos.

No que se refere aos indicadores de acesso à água, energia e saneamento, os dados apontam que 43,46% das habitações têm ligação à rede pública de distribuição de água, 41,97% não têm água canalizada na rede pública e 14,56% estão com a ligação no exterior da habitação.

“Com a divisão desses grupos, cada programa que quiser utilizar as informações do cadastro, estabelece os seus critérios e, com base nisso, o cadastro emite a lista dos potenciais beneficiários”, esclareceu.

De acordo com esta responsável, a inclusão de um beneficiário depende da disponibilidade orçamental e dos critérios previamente definidos.

“Até agora temos quase dois mil e tal agregados familiares que receberam rendimento social de inclusão com base nesse sistema. Temos agregados que estão a receber tarifa social de energia com base na identificação do cadastro, temos três programas de habitação e de realojamento na ilha de Sal e Boa Vista, entre outros programas”, demonstrou.

Na mesma linha, Mónica Furtado garantiu que se está a preparar a integração com o Ministério da Saúde e que estão a receber solicitações de vários sectores que têm programas sociais, permitindo-os o uso das informações do cadastro.

“Nós estabelecemos uma meta com todos os municípios para identificar principalmente os agregados familiares que estão nos grupos um e dois, as pessoas que actualmente recebem a pensão social e todos os potenciais beneficiários do rendimento de inclusão, porque no próximo ano vamos ter o aumento do número de beneficiários por municípios”, assegurou.

Sendo assim, a directora-geral da Inclusão Social esclareceu que esse encontro vai servir para se fazer uma avaliação se os municípios já conseguiram cumprir a meta, o que falta para cumprir, quais as maiores dificuldades, mas também partilhar as boas práticas.

Mónica Furtado apontou que o maior desafio a nível do cadastro é conseguir actualizar os dados constantemente, uma vez que, segundo ela, existe uma dinâmica familiar com “muita alteração”.

Adiantou, por outro lado, que o “grande desafio” é ter a maior percentagem possível das pessoas registadas no cadastro.

WM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos