Cabo Verde registou carregamento de mais de três mil materiais pornográficos infantis em 2021- ONUDC

Cidade da Praia, 21 Nov (Inforpress) – A coordenadora do Escritório das Nações Unidas sobre as Drogas e Crime (ONUDC), Cristina Andrade, assegurou hoje que em 2021 Cabo Verde registou um carregamento de mais de três mil materiais pornográficos infantis.

“Cabo Verde não foge a regra em relação a crimes cibernéticos, como sabemos, o nosso País foi vítima do ataque cibernético pós-pandemia e também de acordo com os dados que temos de uma organização internacional houve em 2021 um carregamento de mais de três mil materiais pornográficos infantil, portanto a todo um contexto que requer uma intervenção com a base a evidência de prevenção e de combate ao crime online”, reforçou Cristina Andrade.

A declaração foi feita à imprensa, à margem da abertura de uma ação de formação em matéria de prevenção do cibercrime para professores do ensino secundário da região de Sotavento e da ilha de São Nicolau.

A coordenadora da ONUDC realçou ainda que as crianças e adolescentes devem ser educados e acompanhados todos os dias, tanto pelos pais como pelos professores, para que esses crimes não os atinjam.

“Hoje em dia muitos pais queixam-se que os filhos passam muitas horas online e que é preciso de facto começar a trabalhar de uma forma muito intensiva, no sentido de criar condições em casa para que os filhos não ficam dependentes e utilizam de forma autodestrutiva a internet e também consigam ter uma vida social”, recomendou Cristina Andrade.

Segundo a representante da ONUDC, certas vezes muitos adolescentes estão com dificuldades de processar e de conversar porque é muito mais fácil estar online do que conviver com as pessoas socialmente, e isso é uma dificuldade para a sua vida adulta em comunicar.

Por isso, sintetizou, é necessário criar e fortalecer uma estrutura emocional para os jovens e crianças, para que não sejam vítimas e não fiquem dependentes do uso de internet, sublinhou coordenadora da ONUDC.

Cristina Andrade referiu ainda que muitas vezes os adolescentes estão a cometer crimes online sem ter consciência, por isso devem ser informados, e pais e professores têm “um papel fundamental”, enquanto educadores, para criarem um contexto “mais saudável” com aposta na prevenção pois, conforme afirmou, “é de violência muito grande” e tem “um impacto negativo para o desenvolvimento de qualquer país”.

A coordenadora do Escritório das Nações Unidas sobre as Drogas e Crime apelou aos pais e encarregados de educação para monitorizarem os seus filhos na internet, com quem conversam e o que eles consomem, de forma a combater e prevenir os crimes cibernéticos.

DG/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos