Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cabo Verde quer montar “sistema robusto” de prevenção e combate à ciber-criminalidade – Olavo Correia

Cidade da Praia, 22 Nov (Inforpress) – O vice-primeiro ministro, Olavo Correia, disse hoje que Cabo Verde quer edificar um “sistema robusto” de prevenção e de combate à ciber-criminalidade,  com investimentos a nível das instituições judiciais,  visando garantir “capacidade interna”.

O também ministro das Finanças e do Fomento Empresarial e ministro da Economia Digital fez esta afirmação à imprensa, à margem do workshop de implementação de uma equipa de resposta à Incidentes de Segurança Informática (CSIRT), organizado pela Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME), em parceria com a Resposta da África Ocidental sobre Ciber-segurança e Luta contra o Ciber-crime (OCWAR-C).

Segundo o governante, Cabo Verde está a “fazer muito” em matéria da promoção da ciber-segurança e também do combate ao ciber-crime.

Conforme informou, o País tem “instituições sólidas”, quer a nível da Polícia Judiciária (PJ), da Polícia Nacional (PN) e de todo o sistema judicial, mas também uma política de aposta nas tecnologias de informação e comunicação.

“Visam garantir uma capacidade interna, a nível dos equipamentos, recursos humanos e de um quadro legal, para que Cabo Verde possa dar o seu contributo à escala regional e global”, assinalou, frisando a necessidade de um sistema informático “mais seguro e mais previsível”.

Acrescentou que o País está a trabalhar com parceiros internacionais, nomeadamente a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América, entre outros, para edificar um ”sistema robusto”, de “prevenção, repressão e combate” à ciber-criminalidade em Cabo Verde.  

“Temos estado a fazer progressos importantes no combate ao ciber-crime, mas ainda há um caminho a percorrer, por isso é que estamos no quadro da cooperação a adquirir mais equipamentos, a formar recursos humanos, a investir nas instituições em termos de soluções tecnológicas”, precisou Olavo Correia.

Nesta linha, afiançou, há toda uma infra-estrutura institucional legal criada, mas que precisa ser “mais solidificada”.

“Nos próximos tempos teremos as melhores condições, pois estamos a fazer um forte investimento financeiro para que tenhamos um sistema forte de combate à ciber-criminalidade”, reiterou.

O presidente da ARME, Isaías Barreto, por sue lado, afirmou que a ciber-segurança é hoje “fundamental” e requer “o engajamento de todos”, tratando-se da “maior ameaça à escala mundial” para as empresas.

Conforme os dados que apresentou, só em 2021, a nível mundial, os custos relacionados com incidentes de segurança informática e ciber-criminalidade atingiram os seis triliões de dólares, enquanto a África subsariana perde anualmente dois mil milhões de dólares.  

“Mesmo em Cabo Verde, recentemente, tivemos um ataque à rede do Estado com impactos bastante negativos para todos”, salientou.

Esta iniciativa conjunta entre ARME e OCWAR-C, resulta do facto de Cabo Verde integrar esta equipa para a Resposta da África Ocidental sobre a Cibersegurança e Luta contra o Cibercrime, um projecto implementado pela Agência Francesa de Cooperação Técnica Internacional – Expertise France, ao abrigo de um acordo de financiamento entre a UE e a CEDEAO.

Assim, Cabo Verde foi escolhido como País-piloto, para implementar este projecto que visa, justamente, dar respostas rápidas à problemática de segurança cibernética e luta contra a criminalidade, através da sensibilização das pessoas para questões de segurança informática e criação de um centro de monitorização e combate ao ciber-crime.

HR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos