Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cabo Verde quer “beber da experiência” das Canárias sobre plástico zero 

Cidade da Praia, 15 Set (Inforpress) – O presidente da Assembleia Nacional disse hoje que Cabo Verde quer “beber da experiência” das Ilhas Canárias sobre zero plásticos no mar, a nível da legislação e de boas práticas, e adaptá-las à realidade do País.

Jorge Santos que falava à imprensa na tarde de hoje, no final da reunião-grupo de ligação das décimas Jornadas Parlamentares Atlânticas, que aconteceu por videoconferência, considerou que se trata de uma questão “muito cara” e que tem afectado o mundo inteiro.

Segundo o presidente do parlamento, esta problemática vai ser também tema de debate nas Jornadas Parlamentares Atlânticas, prevista para 18 a 20 de Janeiro de 2021, em São Vicente.

“As Canárias já avançaram com uma legislação muito moderna sobre o plástico zero, e nos estamos a estudar essa possibilidade de virmos a ter plásticos zero em Cabo Verde”, referiu, realçando que essas boas práticas devem ser “estudadas e adaptadas” à realidade cabo-verdiana.

Avançou que no quadro da cooperação da Macaronésia, compostos por Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde, o País pretende ter um quadro legal e institucional que não permita a utilização do plástico.

Assegurou que a Madeira e os Açores estão numa fase avançada de implementação, não só em legislação, mas também nas práticas.

“Nos já temos a nossa legislação sobre as bolsas de plástico e os utensílios, mas é preciso agora perseguirmos e consolidarmos essas políticas públicas no sentido de virmos a ter plásticos zero em Cabo Verde”, mencionou.

A 01 de Janeiro de 2017 entrou em vigor da lei que interdita a comercialização e utilização de sacos de plásticos, com mecanismos legais que penalizam os agentes económicos que insistirem nesta prática.

Publicada em Agosto de 2015, a lei contempla coima que vai de 50 mil a 400 mil escudos para pessoas singulares e de 250 contos a 800 contos para pessoas colectivas, assim como a interditação da produção, importação e a comercialização dos chamados sacos convencionais que levam anos a deteriorarem-se, causando mal ao meio ambiente.

Em Cabo Verde, devido à quantidade de sacos de plásticos espalhados pela natureza, a poluição é visível nas ruas e estradas e constituem autênticas ameaças à vida marinha.

AV/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos