Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cabo Verde já concluiu cinco dos principais relatórios em atraso em relação a organismos internacionais – ministra da Justiça

 

Cidade da Praia, 17 Jul (Inforpress) – A ministra da Justiça e Trabalho, Janine Lélis, anunciou hoje que o país já concluiu cinco dos “principais relatórios” para organismos internacionais em falta desde 1993, estando, neste momento, por concluir o que diz respeito à tortura.

“Os cinco relatórios já concluídos encontram-se no Ministério dos Negócios Estrangeiros para a tradução”, garantiu a governante, à margem de um workshop sobre as normas internacionais do trabalho e as obrigações constitucionais da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que decorreu hoje na Cidade da Praia.

Segundo Janine Lélis, a meta do Governo vai em direcção ao sector hoteleiro, onde haverá um “maior impacto”.

“Houve uma alteração à lei laboral, que entrou em vigor a 01 de Outubro de 2016, e as entidades patronais, se calhar, ainda não têm presente que as alterações vieram para reforçar aquilo que é a segurança do vínculo jurídico”, afirmou a ministra do Trabalho, lamentando que se assiste “com frequência, em especial nas ilhas do Sal e Boa Vista, a um sistemático dispensar do trabalhador para evitar que cumpra os cinco anos que lhe conferem o direito à estabilidade no trabalho”.

Na perspectiva da ministra da Justiça e Trabalho, as formações no domínio laboral visam capacitar todos os actores envolvidos, já que, diz ela, para se chegar aos acordos, tudo vai depender dos trabalhadores e das entidades patronais.

“Quando se tem uma convenção colectiva de trabalho, a entidade empregadora também ganha no trabalhador que já formou e não precisa de dispensá-lo, significando, com isso, que tem capacidades a nível do seu sector para melhor servir”, indicou Janine Lélis, acrescentando que, quando isto acontece, o trabalhador também pode melhor perspectivar a sua vida com “mais estabilidade”, já que lhe permite fazer um empréstimo bancário e realizar o seu “sonho de consumo”.

Instada se há indícios de casos de tortura em Cabo Verde, a governante respondeu que há uma avaliação feita na qual vêm sempre reportados “casos de violência policial e em relação às cadeias”.

“Importa-nos que estas situações não aconteçam e, a acontecer, que o Estado seja firme e tome as medidas para que haja a necessária punição”, sublinhou, para depois lembrar que Cabo Verde é um Estado de Direito e os “direitos das pessoas devem ser respeitados”.

Para o presidente da Confederação Cabo-verdiana dos Sindicatos Livres (CCSL), José Manuel Vaz, o país tem ratificado “convenções importantes” da OIT, o que lhe tem colocado em “situações privilegiadas” e num “patamar importante”, enquanto Estado membro da Organização Internacional do Trabalho.

“Não basta a ratificação das convenções por parte do Estado. É fundamental que no quotidiano e na prática os estados membros acatem, respeitem e apliquem as convenções da OIT”, apelou o presidente da CCSL.

Este workshop é realizado no âmbito do projecto de Apoio aos Parceiros Comerciais incluindo os países beneficiados do Sistema de Preferências Generalizadas (SGP+) para aplicar as Normas Internacionais do Trabalho (NIT) e cumprir com as obrigações e apresentação de relatórios.

A formação, financiada pela União Europeia, conta com a participação de representantes do Ministério da Justiça e Trabalho, através da Direcção-Geral do Trabalho e Inspecção do Trabalho, das organizações empregadoras, dos trabalhadores e, ainda, representantes de outras instituições, como o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Comunidades.

LC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos