Cabo Verde é um país vulnerável e deve estar sempre atento às situações entomológicos, Artur Correia

 

Cidade da Praia, 03 Jul (Inforpress) – O secretário executivo da Comissão de Combate à Sida (CCS/Sida), Artur Correia, disse hoje que Cabo Verde é um país vulnerável a várias doenças, pelo que deve estar atento às diferentes situações para poder agir.

Artur Correia fez essa consideração no acto da abertura do seminário científico sobre o tema “Mosquitos vectores de doenças humanas: Investigação, Monitorização e Controlo” que decorre, durante dois dias, no Instituto Nacional da Saúde Pública (INSP).

“Das cerca de dez espécies de mosquito existentes no país, algumas são transmissores de arboviroses, outro paludismo e hoje já temos vectores de dengue e zika, pelo que estamos condenados a ter um programa entomológica”, afirmou.

Por esse motivo, sublinha, a formação que hoje se inica é de muita “importância” e se enquadra nesta perspectiva.

Segundo o director do Instituto Nacional da Saúde Pública (INSP), Tomás Valdez, fazer essa formação significa que o país já tem infraestruturas para fazer investigação, pelo que é necessário reforçar as competências técnicas.

Para o representante da Organização Mundial da Saúde em Cabo Verde (OMS), Mariano Salazar, o INSP desempenha um “papel importante” na agenda da pesquisa de saúde pública do país, particularmente, porque esta se encontra numa fase de pré-eliminação para a de eliminação de malária.

E porque as doenças transmitidas pelos mosquitos estão a tornar-se numa grande âncora para o país e para o avanço do seu futuro, Mariano Salazar, é de opinião que é preciso combater o “mal”.

“O INSP tem essa responsabilidade, pois, dela depende o laboratório da entomologia para acompanhar a dinâmica das doenças transmitidas pelos mosquitos, especialmente, as que representem as famílias dos transmissores da doença”, aclarou.

Já para o subdirector do Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Lisboa, Henrique Silveira, que se encontra no país para participar no seminário, esta é mais uma confirmação da parceira existente entre Portugal e os países da CPLP, e particularmente, com Cabo Verde.

“O INSP é o nosso filho querido, pois, o ajudamos a construir. A nossa colaboração não vai ficar por aqui, penso que existe muito por fazer na nossa área e é o que vamos continuar a fazer”, prometeu.

Durante dois dias, o seminário científico que decorre sobre o tema “Mosquitos vectores de doenças humanas: Investigação, Monitorização e Controlo” vai analisar temas como “Doenças de transmissão vectorial: o papel do INSP”, “Perfil epidemiológico das doenças transmitidas por vectores em Cabo Verde”, e “Caracterização dos locais de reprodução de mosquitos nas ilhas de Cabo Verde com ênfase em principais vectores”.

O evento, salienta a mesma fonte, é fruto de uma parceria entre o Instituto Nacional de Saúde Pública e o Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) de Portugal, e conta com a participação de pesquisadores nacionais e do IHMT, profissionais de saúde e das universidades.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos