Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cabo Verde deve continuar atento às dinâmicas de cooperação para o desenvolvimento –conferencista

Cidade da Praia, 19 Out (Inforpress) – O conferencista Carlos Carvalho defendeu hoje que Cabo Verde deve continuar atento às dinâmicas de cooperação para o desenvolvimento e tentar ajustá-las para que o país possa ser sempre “bem ilegível” aos diferentes programas disponíveis.

A ideia foi avançada pelo conferencista e docente do Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais (ISCJS) durante o debate sobre o tema “Para além da pandemia: Cooperação União Europeia e Grupo ACP/ Cabo Verde em análise”, no âmbito do congresso internacional sobre o mundo pós-pandemia, promovido pelo instituto durante dois dias.

“Eu penso que Cabo Verde deve fazer e tem feito e que é transversal a nossa política de cooperação, que é diversificação de parceiros e de instrumentos. Devemos continuar atentos às dinâmicas e tentar ajustar para que possamos sempre ser bem elegíveis aos diferentes programas que são disponíveis”, apontou.

Carlos Carvalho adiantou que o país dispõe de recursos e critérios que permitem isso, designadamente respeito pelos direitos humanos e a boa governação que continuam a ser condicionalidade para o acesso a financiamentos.

No seu entender, Cabo Verde deve continuar atento ás dinâmicas e depois ver os diferentes mecanismos que existem internacionalmente e com parceiro tão importantes como a União Europeia ver como pode se candidatar e obter esses recursos e desenvolver alguns projectos para o país.

Explicou que o tema foi pensado na perspectiva de ver quais são os efeitos da pandemia sobre as dinâmicas da cooperação para o desenvolvimento, sendo que a União Europeia mantem uma cooperação muito forte e histórica com Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico (OEACP).

“Vamos lançar um olhar para ver como é que a pandemia altera as tendências de alocação dos fluxos de desenvolvimento e ver como é que pode haver a oportunidade para esses países irem aceder a esses fluxos de desenvolvimento r depois aplicarem no contexto nacional”, referiu.

Segundo disse, os países em desenvolvimento, designadamente Cabo Verde, encontram-se em dificuldades de acesso aos fundos internacionais, e a ideia é ver até que ponto esse novo quadro de cooperação com a União Europeia pode fornecer soluções.

“Daquilo que conheço do acordo, há um conjunto de instrumentos e mecanismos que podem facilitar o acesso a esses fundos, ao mesmo tempo que há também questões que podem pôr em causa muitas vezes alguns ganhos que já foram conseguidos”, precisou.

Tenho em conta que o país já usufrui de um financiamento, por exemplo um foco mais nas questões sanitárias e de protecção social, realçou que o arquipélago pode eleger-se a esses fundos, e mostrou-se optimista de que se houver vontade política, os parceiros podem fazer e aplicar o que está no acordo.

Avançou que um dos mecanismos que está no acordo é trazer o sector privado para a área da cooperação e permitir que complementem os esforços do sector público, e promova também investimentos, sendo que neste momento alguns países têm tido algumas dificuldades em arrecadar recursos para o seu orçamento.

Durante o encontro esteve ainda em debate “O cenário internacional e as perspectivas da sociedade internacional no pós-pandemia” e “As implicações da pandemia nas dinâmicas de segurança internacional”.

O objectivo do evento, realizado para comemorar o XV aniversario da instituição é, segundo a responsável, para reflectir “o novo mundo, a nova normalidade e os desafios” que a pandemia impõe nas diversas áreas de intervenção do ISCJS.

AV/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos