Cabo Verde inteira-se ainda antes de Julho sobre o cargo estatutário a ocupar nas instâncias da CEDEAO – Miryan Vieira

Cidade da Praia, 15 Jun (Inforpress) – A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros avançou que o País vai conhecer, ainda antes de Julho, qual o cargo estatutário que irá ocupar nas instâncias da CEDEAO, estando no momento a decorrer o processo de selecção dos candidatos.

Miryan Vieira, a também secretária de Estado da Cooperação, deu estas garantias hoje à imprensa, à margem de uma conferência de imprensa que realizou para fazer o balanço da sua missão à Bruxelas (Bélgica) e Acra (Gana).

Em Acra, capital do Gana, onde participou na Reunião Ministerial sobre a revisão do Protocolo Adicional sobre a Democracia e Boa Governação, entre os dias 09 e 10 de Junho, e do Comité Ministerial de selecção e avaliação dos funcionários estatutários da CEDEAO, entre os dias 11 e 12 de Junho, Miryan Vieira informou que Cabo Verde vai entrar no novo ciclo de designação ou afectação dos cargos estatutários no seio da CEDEAO.

“Portanto, ainda estamos no processo de selecção dos candidatos que irão preencher os diferentes cargos, ainda faltam algumas etapas a serem realizadas porque estamos no processo de selecção, pelo que antes de Julho seguramente saberão qual será o cargo estatutário que Cabo Verde irá ocupar nas instâncias da CEDEAO”, afiançou.

Ali, segundo afirmou, foram debatidas “questões bastante profícuas”, sobretudo, na reunião referente à revisão do acordo do protocolo suplementar sobre a democracia e boa governação, adiantando que houve algumas divergências em alguns pontos, nomeadamente, no que toca à questão da limitação do mandato dos presidentes.

Sobre a missão a Bruxelas considerou que foi positiva, até porque, considerou, as questões da OEACP, são questões diversas que têm que ver muito com a questão do desenvolvimento sustentável nos seus três pilares, o ambiental, económico e o social.

“Nós quisemos dar um pouco mais de destaque sobretudo durante esta reunião ao pilar ambiental que tem muito que ver com os sítios, onde discutimos as reuniões sobre as mudanças climáticas, à economia azul, e a questão também da diáspora, isto na componente social”, sublinhou.

Mas serviu também, conforme a secretária de Estado, para chamar a atenção para a necessidade da assinatura do novo acordo de parceria entre a União Europeia e os Estados membros da OEACP, um acordo cujas negociações já terminaram e que permitem ser formalmente adoptadas entre as duas partes e que irá dar continuidade ao compromisso que foram acordados no acordo de Cotonu.

Quanto à participação na 104 sessão do Conselho de Ministros da organização dos Estados ACP, África, Caraíbas e Pacífico, que decorreu em Bruxelas, de 08 a 09 de Junho disse que serviu para se proceder à análise das actividades da referida organização bem como para a tomada de decisões em “importantes” questões da organização.

Indicou que houve aprovação de várias decisões sobre as questões administrativas e financeiras da OEACP, bem como sobre outras questões da agenda, de descartar três decisões.

A primeira referente à revisão dos termos de referência do Fórum dos pequenos Estados Insulares em desenvolvimento, uma outra tem que ver com a aprovação da declaração da sétima conferência dos ministros dos assuntos do Mar da OEACP que decorreu no Gana, e a última referente à criação da plataforma dos pontos focais da diáspora a OEACP.

ET/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos