Brava/Ensino: Autarquia subsidia mensalmente 355 mil escudos a estudantes nas universidades nacionais

 

Brava, 15 Nov (Inforpress) – O município da Brava subsidia mensalmente 355 mil escudos a estudantes desta ilha em diferentes universidades do País e tem estabelecido protocolos que permitam a redução de propinas na ordem dos 50 por cento.

O autarca, Francisco Walter Tavares, revelou à Inforpress que nível do ensino superior a “Câmara Municipal da Brava tem tido sempre um papel importante nesta área”, mas que desde 2012 a autarquia abriu uma nova etapa, mediante a concretização de protocolos com universidades e Institutos Superiores de Cabo Verde, para proporcionar oportunidade de estudos aos munícipes.

Sublinha que de momento tem protocolos com a Unipiaget que permite aos alunos da Brava enviados através da Câmara Municipal uma redução de propinas logo à entrada de 50 por cento e um outro com o Instituto Superior de Ciências, Jurídicas e Sociais na qual os alunos da Brava são contemplados com uma diminuição de propinas de 10 a 35 por cento.

Ainda assim, explicou, a Câmara da Brava subsidia algumas propinas a 100 por cento a dois melhores alunos, com maior nota, em qualquer universidade em Cabo Verde, assim como a alunos “com boa nota, mas oriundos de famílias carenciadas”.

Para o ano lectivo em curso, 2017/18, a autarquia distribuiu subsídios monetários na ordem de  105 mil escudos mensais aos novos estudantes universitários, porquanto a Câmara teve uma remanescente de 50 mil escudos por força dos alunos que terminaram o ano lectivo na temporada passada, aos quais acrescentou outros 50 por cento deste montante para novos pedidos.

Conforme o autarca, a Câmara disponibiliza ainda transportes gratuitos a estudantes em concertação com a Escola Secundária para travar “uma percentagem considerável do abandono escolar”. A isso se junta também o apoio pontual da Fundação “Brava Solidária”, de Orlando Balla, que disponibiliza 100 mil escudos em materiais escolares para cobrir as solicitações das famílias carenciadas junto dos seus educandos.

Em termos de políticas concretas viradas para a juventude, indicou a assinatura de um protocolo com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, há menos de seis meses, envolvendo a Escola de Formação para a Região Fogo/Brava.

Destacou ainda a acção de formação realizada na ilha a nível de guias turísticos e que teve uma duração de mais de três meses, culminando na formação de 10 jovens, no “quadro de um programa maior da Brava como um produto turístico ainda a ser apresentado para ser mais conhecido e visitado”.

Entretanto, explicou que, com o Fundo do Turismo, a autarquia colocou na Escola de Hotelaria e Turismo, na Cidade da Praia, e em condições excepcionais em termos de propinas e estadias na Residência Estudantil, 11 jovens nos cursos de Gestão de Alojamentos Hoteleiros, Cozinha e Pastelaria e, Restauração e Bebidas.

Francisco Tavares, considera, por outro lado que a ilha já regressou à situação de normalidade em termos de transportes marítimos, na ligação com as ilhas do Fogo e Santiago, com o retomar do navio Kriola e que já se sente o impacto positivo na economia por este motivo.

SR/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos