Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Brava: Workshop sobre gestão da flora e vegetação terrestre vai permitir uma melhor valorização das espécies – especialista (c/áudio)

Nova Sintra, 26 Ago (Inforpress) – O orador do workshop promovido pelo Projecto Vitó sobre gestão da flora e vegetação terrestre Isildo Gomes defende que esta acção vai permitir os actores sociais na área a “valorizar mais” as espécies existentes na flora da ilha.

Segundo a mesma fonte, durante este workshop não vai ensinar nada de novo que os criadores ou agricultores não sabem, mas sim querem é contribuir para capacitá-los.

Pois, avançou que a Brava possui alguma riqueza que carece de uma gestão sustentável para que estes recursos perdurem por toda a vida e que passem de geração em geração.

Sendo assim, Isildo Gomes explicou que é preciso conhecer e saber o devido valor para que possam conservar esta riqueza.

“Trazemos estes conceitos de forma sistematizada porque o agricultor conhece os recursos que possui no seu terreno agrícola, e vamos fazer com que ele valorize mais o que tem na sua propriedade”, disse o formador.

Segundo este especialista em Gestão de Recursos Naturais/Botânico, o agricultor pode ter na sua propriedade uma planta endémica, e ao saber da sua importância vai querer valorizá-la para mostrar aos turistas e assim o turista vai trazer algum rendimento à comunidade.

“Queremos mostrar que a ilha tem um importante valor turístico, a nível da sua flora e que são valores que precisam ser conservados, merecem uma gestão sustentável, ou seja, naquela de não usarmos um recurso mais da taxa da sua recuperação”, reforçou o formador.

Não obstante, a questão da valorização e do uso racional da flora, a mesma fonte salientou que também querem chamar atenção para a bacia hidrográfica de Fajã d´Água que “é tão importante” para a ilha.

“Já perdemos algum tempo porque a bacia hidrográfica já deveria ser um parque natural há muito tempo, pois tem 15 espécies endémicas das 39 que a Brava tem”, apontou.

Além disso, acentuou que serão analisados os instrumentos de conservação da vegetação e flora da ilha Brava.

Por seu turno, Herculano Dinis, director da Associação Projecto Vitó, promotora deste workshop de dois dias (26 e 27 de Agosto), explicou que o principal objectivo é debater e discutir de forma alargada com os parceiros chave da conservação da flora na Brava, todas as questões relacionadas com a conservação das espécies endémicas e da flora.

Além da discussão das formas de conservação, acentuou que serão também analisadas as melhores medidas que devem ser tomadas para a protecção das espécies na ilha.

Deste workshop, Herculano Dinis diz esperar que todos os parceiros possam sair com o mesmo nível de informação e também engajados juntamente do Projecto Vitó, representação do ambiente, com o município, associações, elementos da comunidade, entre outros, para poderem levar adiante esta ideia de promover a conservação da flora da ilha Brava.

MC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos