Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Brava vai acolher Centro de Investigação da Morna –  anuncia o Instituto do Património Cultural (c/video)

Cidade da Praia, 03 Dez (Inforpress) –  A ilha Brava, mais precisamente a Casa de Eugénio Tavares, irá acolher o Centro de Investigação da Morna, no quadro do Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidades (PRRA), informou hoje o presidente do Instituto do Património Cultural (IPC).

Hamilton Jair Fernandes falava em declarações à imprensa no final da abertura de uma mesa redonda sobre “Vida e Obra de B.Leza (Francisco Xavier da Cruz), patrono do Dia Nacional da Morna, realizado pelo IPC e pela Sociedade Cabo-verdiana de Autores (SOCA), na Universidade de Cabo Verde, na cidade da Praia.

“Há um trabalho a ser feito no espaço onde alberga o Museu Eugénio Tavares que será transformado em Casa Museu Eugénio Tavares, um pouco ligado à memória da figura e do patrono do Dia Nacional da Cultura e nesse mesmo espaço irá albergar o Centro de Investigação ligada à morna”, avançou.

A reabilitação do edifício, informou, já tem financiamento e, neste momento, estão à espera para tramitar o contrato de consignação e avançar com a reabilitação do edifício.

Sendo que a morna faz parte da identidade do povo cabo-verdiano e para fazer justiça às ilhas que tiveram um peso no quadro da candidatura da morna, informou que, posteriormente, outras ilhas como Santiago, São Vicente, São Nicolau (Tarrafal) e Boa Vista vão também acolher núcleos de investigação sobre a morna, que irá envolver investigadores, académicos e a sociedade civil.

“Não queremos centralizar esse processo ou este núcleo apenas numa só ilha, isso tudo também terá as suas vantagens. Estamos a falar de um processo que obedece ao Plano de Salvaguarda, de um compromisso assumido com a Unesco e atendendo, sobretudo, à questão da insularidade, ou seja, a morna não será exclusiva de uma ilha”, frisou.

O Plano de Salvaguarda, que será implementado em Janeiro de 2020, contempla quatro eixos, nomeadamente a investigação, disseminação e formação, turismo cultural e marca do território a partir da morna.

Fez saber que o Orçamento do Estado para 2020 contempla uma verba de 10 mil contos para a execução do Plano de Salvaguarda.

Jair Fernandes demonstrou novamente a sua firme convicção de que no dia 12 a morna será proclamada Património Cultural e Imaterial da Humanidade e que depois desse dia é preciso preparar para entregar a morna ao mundo.

 

AM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos