Brava: Ulisses Correia e Silva compromete-se a trabalhar para ajudar a ilha a resolver os problemas estruturais

Nova Sintra, 20 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro, José Ulisses Correia e Silva, comprometeu-se hoje em Nova Sintra, Brava, a trabalhar para ajudar a ilha a resolver os seus problemas estruturais.

O chefe do Governo assumiu este compromisso em discurso público feito na praça Eugénio Tavares, após o acto de descerramento da placa da estrada de ligação cidade de Nova Sintra/Nossa Senhora do Monte, com intervenções pontuais no entroncamento para Esparadinha e a inauguração da obra de Requalificação do Centro Histórico de Nova Sintra.

No seu discurso, Correia e Silva realçou que o Governo prometeu e está a honrar os compromissos “importantes assumidos com a Brava”, ressaltando o facto de se encontrar também na ilha Nathan Belete, director do Banco Mundial para Cabo Verde e outros países africanos, o que “demonstra uma preocupação em incluir a Brava num grupo de soluções e projectos que o Governo quer desenvolver para Cabo Verde”.

“Inauguramos a estrada Nova Sintra Nossa Senhora do Monte com impacto para as pessoas que vivem nesta freguesia, mas também para toda a ilha pois é preciso circular com menores custos possíveis e melhores qualidades”, apontou o chefe do executivo, destacando que querem desencravar e criar condições para melhorar a mobilidade e a conectividade nas ilhas, e neste caso na Brava.

Quanto à requalificação do Centro Histórico de Nova Sintra, sublinhou que é um património a preservar e valorizar.
Pois, justificou que “é um património que tem história, possui condições para ser valorizado como um grande centro de interesse turístico-cultural e tem o património único de Cabo Verde, o Eugénio Tavares”, enumerou, defendendo que “deve ser criadas todas as condições para que este património seja valorizado em termos de retorno cultural e económico”.

No quadro da melhoria das condições da ilha, o chefe do Governo anunciou que mais adiante vão estar na Brava para inaugurar a estação dessalinizadora que está associada a um parque solar financiado pelo Luxemburgo.

Esta obra, conforme anunciado, se encontra em execução e vai aumentar não só a quantidade de produção e disponibilização de água para a população, mas também a qualidade da água que a Brava “tanto precisa”.

Igualmente, confirmou a requalificação e ampliação da Delegacia de Saúde da Brava, informando que o financiamento já está garantido, e que estão a trabalhar na aquisição do terreno para ampliar a actual delegacia e depois construir.

Aliás, reconheceu que “a saúde é um dos elementos importantes para esta ilha e daí a necessidade de continuar a reforçar os investimentos”, embora tenha recordado que hoje há mais médicos, mais enfermeiros, mais equipamentos médico-hospitalares, mas que com a ampliação vai ser criada mais e melhores condições de serviço.

Ainda no seu discurso, assegurou que no próximo mês de Outubro a Brava vai ter um destacamento da Guarda Costeira residente na ilha, com um barco afecto às operações de fiscalização, de protecção civil, e de apoio a transferência médica.

“Está-se a fazer de tudo para que a questão dos transportes e conectividade deixam de ser um constrangimento nesta ilha, mas também nas outras ilhas do país”, disse o primeiro-ministro, enfatizando que as ilhas precisam se conectar entre si e com o resto do mundo e as duas maneiras de fazer isso são via aérea e mar+itima, mas que na Brava “as condições para a construção de um aeroporto não se mostraram ainda viáveis”.

Daí, reforçou que para a ilha “deve ser feito um investimento no transporte marítimo regular que garanta todos os dias possibilidades de ligar a Brava ao Fogo e ao resto de Cabo Verde”.

No que tange à economia da ilha , o chefe do Governo ressaltou que advém do investimento público, mas também do privado no sentido de trazer mais turismo, viabilidade aos sectores da agricultura, pesca, comércio e criar condições de emprego e de rendimento.

Neste aspecto, indicou que há “bons projectos que estão em perspectivas”, neste caso de investimentos privados com suporte do Governo que “uma vez concretizados irão provocar um salto significativo na ilha”, mas também deixou as portas abertas para todos que quiserem investir na ilha.

A estrada de ligação cidade de Nova Sintra/Nossa Senhora do Monte, com intervenções pontuais no entroncamento para Esparadinha, foi financiada pelo Banco Mundial e no seu discurso, Nathan Belete, director do Banco Mundial para Cabo Verde e outros países africanos demonstrou a sua satisfação pelos investimentos feitos no país, demonstrando igualmente o interesse do Banco Mundial em continuar a trabalhar conjuntamente com o Governo de Cabo Verde no sentido de melhorar a qualidade de vida dos cabo-verdianos.

As obras de requalificação do Centro Histórico de Nova Sintra, que arrancaram no final do mês de Setembro de 2020, inicialmente orçadas em mais de 27 mil contos e financiadas no âmbito do Programa de Reabilitação, Requalificação e Acessibilidades (PRRA) visam requalificar os arruamentos da cidade de Nova Sintra.

MC/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos